Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola defronta hoje a congénere espanhola

13 de Dezembro, 2013

Seleccionador nacional Vivaldo Eduardo preparou um conjunto para contrariar o favoritismo apontado às terceiras classificadas no Mundial

Fotografia: Jornal dos Desportos

Depois da derrota diante da Noruega, a Selecção Nacional feminina de andebol encerra hoje a fase regular, no pavilhão Medisson Hall, na cidade de Zrejanin, com a Espanha, em partida da quinta jornada do grupo C do Campeonato do Mundo, que decorre desde o passado dia 6 na Sérvia. A vitória sobre as espanholas vai exigir às campeãs africanas esforços suplementares, pois o desgaste do jogo de ontem frente às campeãs mundiais e olímpicas vai reflectir-se no conjunto.

A Espanha atravessa um dos seus melhores momentos no andebol. Depois dos homens conquistarem o campeonato mundial, as senhoras estão na Sérvia no máximo das suas forças. A equipa conta no seu historial com duas medalhas de bronze consecutivas: uma no Mundial do Brasil, em 2011, e outra nos Jogos Olímpicos de Londres’2012.

Os dados são óptimos pretextos para a campanha espanhola. A capitão da equipa espanhola, Begona Fernandez Molinos, disse à imprensa que as duas medalhas foram muito importantes para o desporto do seu país e estão conscientes de que devem trabalhar no “duro” para estar no ponto mais alto do pódio, em todos os grandes torneios internacionais.

O elevado estado moral das espanholas é motivo de preocupação para a equipa técnica liderada por Vivaldo Eduardo. O seleccionador nacional afirmou que tinha preparado diferentes variações técnico-tácticas para complicar as principais selecções candidatas ao título. Para o jogo de hoje, a aposta no contra-ataque pode salvar a Selecção Nacional de mais uma derrota, depois de perder com a Polónia e a Noruega.

O técnico espanhol disse aos jornalistas que Angola dispunha de uma das melhores defesas do mundial e, para conseguirem a vitória hoje, a sua selecção tem de se empenhar a fundo e procurar não abrir a linha de sete metros. A velocidade das pontas angolanas é uma grande vantagem do conjunto africano.

Marcelina Kiala é o esteio do conjunto angolano e tem a missão de orientar a equipa renovado. Ao seu lado despontam nomes como o de Natália Bernardo, Magda Cazanga, Isabel Guialo, a guarda-redes Teresa Almeida, que procuram manter o nome do país na elite mundial.

Do outro lado, para além de Begona Fernandez, a capitã, a Espanha conta com as meias-distâncias Macarena Aguilar, Alexandrina Barbosa, Elisabeth Pinedo para levar de vencida a melhor selecção africana.