Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola e Namíbia em novo cruzamento

Augusto Panzo - 16 de Dezembro, 2016

Angolanas e namibianas voltam a jogar desta para a meia-final no Estádio 11 de Novembro

Fotografia: M.Machangongo

A selecção nacional de futebol da Namíbia na categoria feminina volta a cruzar o caminho de Angola, fruto do emparceiramento formado pela Comissão Técnica da organização dos sétims Jogos da Juventude da Zona V do Conselho de Desportos da União Africana.

Apesar de ter vencido o jogo da última jornada da primeira fase, a equipa da Namíbia não tem grandes argumentos para voltar a superar a Angola, que espera redimir-se do desaire diante do seu público na partida a ser disputada hoje às 15h30, no Estádio 11 de Novembro.

Não obstante se tratar de uma equipa em formação, o combinado angolano deixa boas referências no terreno de jogos, o que pressupõe que o público vai assistir hoje a um desafio muito emotivo.

Em função disso, o aspecto psicológico tem de falar ao mais alto nível, de maneira que as pupilas de Lourdes Lutonda e companheiras se sintam seguras ao longo do jogo.

É escusado cometer muitos erros, sob pena de comprometer as ambições do grupo e dos amantes do futebol de Luanda, que o fazem em representação da Nação angolana.

Por se tratar de um jogo que pode catapultar qualquer das contendoras para a final, prevê-se que as duas selecções se "esfreguem" até à exaustão. Só a vitória interessa.

Na outra meia-final, a poderosa selecção sul-africana tem pela frente à mesma hora, no Estádio 22 de Junho, o Zimbabwe, num reeditar daquilo que foi a partida de quarta-feira entre as duas adversárias na terceira e última jornada da primeira fase.Partindo daquilo que foi dado a ver ao longo da primeira fase, as sul-africanas dificilmente perdem a hipótese de chegar à final.

O poderio técnico, táctico e competitivo do seu futebol dão garantias de disputar pela medalha de ouro.

Do conjunto nacional zimbabueano, pouco ou nada se pode esperar, tendo em conta a sua produtividade durante a fase inicial da competição, em que apenas averbou derrotas. Mas tal como é de todo sabido, o futebol é uma caixa de surpresas.


MASCULINOs
Selecção Nacional procura lugar na final


Depois de terminar na quarta e última posição da primeira fase, a Selecção Nacional de futebol masculino em  sub-17 discute hoje, às 18h00, no Estádio 11 de Novembro, o passe de acesso à final com a Zâmbia, que logrou o primeiro lugar no torneio da SADC, que encerra domingo, em Luanda.

Os dois conjuntos voltam a medir forças, após o empate a um golo na segunda jornada da competição. O resultado teve um sabor amargo para os angolanos, que além da equipa zambiana ser mais adulta, contou também com a influência negativa do árbitro do Malawi, Albert Mbuto Chilinda, que foi o principal protagonista do jogo.Sem ser uma partida de "desforra", os pupilos de Languinha Simão vão procurar mostrar que podem vencer o adversário, que disputa a prova com a uma selecção de sub-20, enquanto os palanquinhas alinham com os sub-17.

Os regulamentos estipulam a marcação de grandes penalidades ao fim dos noventa minutos regulamentares, caso o resultado esteja empatado. Os jovens angolanos podem ter a oportunidade de ganhar o primeiro jogo na competição, depois de duas derrotas e apenas um empate.

O único ponto somado pelos pupilos de Languinha Simão, após os três primeiros jogos, classificando-se na última posição, ditou o emparceiramento com a selecção da Zâmbia, detentora do primeiro lugar.

É um jogo de extremos no que toca à classificação, mas na realidade, dentro do campo, os palanquinhas já deram mostras que estão em condições de fazer frente ao adversário na mesma proporção. O jogo dita o finalista da competição. O combinado nacional tem a possibilidade de disputar a final com o vencedor do outro desafio entre o Zimbabwe (2º lugar) e a Swazilândia (3º lugar).

Por seu lado, os zambianos têm a missão de comprovar o estatuto de favorito por ainda não ter conseguido o sabor amargo da derrota e enfrentar o único adversário que falhou a vitória. Na outra partida, o Zimbabwe e Swazilândia enfrentam-se também amanhã, às 18h00, no Estádio 22 de Junho, com o objectivo de atingir a final. Certamente, vão dar o seu máximo para lograr este feito tão almejado pelos quatro participantes. A final disputa-se no domingo, às 17h00, no Estádio dos Coqueiros, enquanto os vencidos medem forças para as classificativas do terceiro e quarto lugar no próximo sábado, às 15h30, no Estádio 22 de Junho.   
JORGE NETO


PROGRAMAÇÃO
Amanhã é
o dia da final


A grande final do torneio feminino de futebol dos sétimos Jogos da Juventude da Zona V da União Africana está prevista para as 18h30 de amanhã, no Estádio 11 de Novembro, ao Camama, de acordo com a programação do comité organizador distribuída aos órgãos de comunicação social. A partida vai ser antecedida de outra a ser disputada às 16h00 no mesmo recinto desportivo, na qual duas selecções vão lutar pelas classificativas ao terceiro e quarto lugares do torneio.

A África do Sul apresenta-se em melhores condições de disputar a grande final, se não houver surpresa no jogo das meias-finais de hoje com o Zimbabwe. O adversário da final sai do duelo entre a Namíbia e Angola.

No cômputo geral da primeira fase, a prova de futebol dos sétimos Jogos da Zona V da União Africana, na categoria feminina, foram registados 21 golos marcados. A selecção sul-africana foi a que teve a melhor artilharia, com 14 tentos apontados. A Namíbia, com 4, e Angola com três golos, suplantaram o Zimbabwe que não marcou nenhum.A classificação final da primeira fase é comandada pelas Bafana Bafana com nove pontos, seguidas pelas namibianas (6), Angola (3) e Zimbabwe (0).   
AUGUSTO PANZO


PRODUÇÃO
Ataque revela
fraca eficácia


O único golo marcado pela Selecção Nacional de futebol masculino em sub-17 no torneio da SADC revela a fraca eficácia do seu ataque, que contribuiu para as duas derrotas e um empate, e como consequência a última posição na primeira fase.

Os Palanquinhas têm sido pouco eficazes no momento decisivo. Desperdiçam as oportunidades que o seu meio-campo cria durante os jogos.

A equipa técnica tem a consciência das limitações do grupo, em função dos adversários mais adultos. Daí as dificuldades que enfrentam, sobretudo, nos duelos individuais. Mas de uma maneira geral, mostra grande satisfação pelo trabalho que tem sido apresentado pelos jogadores.

Caso melhore neste aspecto, os pupilos de Languinha Simão podem ter uma palavra a dizer no que respeita à discussão da medalha de ouro no torneio. Os jovens demonstram bom toque de bola e esta tarde diante da Zâmbia voltam a testar a finalização frente a um adversário, curiosamente, que consentiu o único golo marcado pelo combinado nacional nesta competição.
J N