Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola e Senegal aquecem pavilho do Maxaquene

Melo Clemente, em Maputo - 14 de Novembro, 2019

Angolanas esto desfalcadas de craques na competio

Com fortes chuvas que se abatem sobre a capital moçambicana, Maputo, as selecções de Angola e do Senegal de basquetebol sénior feminina defrontam-se, a partir das 18h00 (17h00 em Angola), no pavilhão do Maxaquene, em partida referente à primeira jornada do Grupo B do Torneio de Pré-Qualificação zona africana. A prova é selectiva ao Torneio Pré-Olímpico de Tenerife, Espanha, em Fevereiro de 2020.
Depois de ter desembarcado às 14h00 de ontem, na cidade de Maputo, proveniente de Luanda, o combinado nacional começa a competição a medir forças diante da vice-campeã africana. Com um preparação atribulada, marcada fundamentalmente pelo início tardio dos trabalhos, as comandas de Apolinário Quaresma Paquete, que ao princípio da noite de ontem fizerem a adaptação ao piso do velhinho pavilhão do Maxaquene, vão seguramente procurar surpreender a forte selecção do Senegal numa missão quase “impossível” dado a qualidade de jogo das senegalesas. Aliás, a 15 de Agosto do ano em curso, as senegalesas bateram de forma copiosa as bi-campeãs africanas, em Dakar, por expressivos 88-54.
Desfalcada de cinco atletas que disputaram o último Afrobasket, nomeadamente, Nadir Manuel, Ngiendula Felipe, Cristina Matiquite, Luísa Macuto e Alexia Dizeko, o seleccionador nacional trás para esta competição um grupo alternativo para tentar fazer uma boa figura na competição.
Consciente do poderio das senegalesas em quase todas as áreas de jogo, Apolinário Quaresma Paquete vai procurar montar uma equipa que seja capaz de conter o jogo ofensivo das forasteiras, que é extremamente perigoso para, no mínimo dos mínimos, evitar perder por números expressivos à semelhança do que aconteceu no último Afrobasket.
Italle Lucas, base norte-americana naturalizada angolana, vai seguramente liderar as acções ofensivas das bi-campeãs que, apesar do pouco tempo de preparação que tiveram, querem “brilhar” em Maputo. Entretanto, a posição cinco do combinado nacional está fragilizada face às ausências de Nadir Manuel e Luísa Macuto.
Em declarações recentes ao Jornal dos Desportos, o seleccionador nacional Apolinário Paquete assegurou que as atletas tudo farão para dignificar as cores da bandeira nacional.
“Estamos conscientes que não realizámos uma boa preparação em virtude de termos arrancado de forma tardia os trabalhos de preparação, mas, ainda assim, vamos procurar significar as cores da nossa bandeira”, augurou Apolinário Quaresma Paquete.
No seio das senegalesas, que estão no máximo das suas forças, o pensamento está totalmente virado para o triunfo logo mais diante de Angola. Ontem, em declarações à comunicação social, o técnico senegalês valorizou o potencial de Angola ao atirar claramente a pressão ao combinado nacional.
“Não existem dois jogos iguais. É com que este pensamento que vamos entrar para a quadra até, porque Angola tem demonstrado jogadoras de qualidade e, se não estivermos concentrados em todas as fazes de jogo, poderemos ser surpreendidas”, disse.
Seis selecções divididas em dois grupos de três cada disputam o Torneio de Pré-Qualificação zona africana. Angola figura no Grupo B, com Senegal e Mali, enquanto no Grupo A estão as de Moçambique, Nigéria e República Democrática do Congo.
A prova é disputada no sistema de todos contra todos a uma volta. O primeiro classificado do Grupo A mede forças nas meias-finais com o segundo colocado do Grupo B ao passo que o líder do Grupo B enfrenta o segundo classificado do Grupo A.
Os vencedores das meias-finais asseguram os passes de acesso ao Torneio Pré-Olímpico de Tenerife, Espanha.

ESTREIA
Nigéria com tarefa facilitada
diante da RDC

As selecções da Nigéria e da República Democrática do Congo enfrentam-se hoje, a partir das 15h30 locais (14h30 de Angola) em desafio que marca a abertura do Torneio de Pré-Qualificação zona africana referente ao Grupo A.
Nigéria, actual campeã africana em título, apresenta-se como favorita à conquista dos dois pontos em disputa, a julgar pela qualidade das atletas que são de longe superiores às da vizinha RDC.
O seleccionador nigeriano vai procurar rodar o banco de forma a encarar os próximos desafios com grande responsabilidade, já que vai ter pela frente o país anfitrião, que está fortemente engajado em garantir um dos passes de acesso ao Torneio Pré-Olímpico de Tenerife, Espanha, em Fevereiro de 2020.
Com maior ou menor dificuldade, as actuais campeãs africanas em título vão assegurar o triunfo num prélio, onde as congolesas democráticas são claramente inferiores.     

PRIMEIRA JORNADA
Moçambique e Mali
folgam

Moçambique, integrante do Grupo A, e Mali, representante do Grupo B do Torneio de Pré-Qualificação zona africana, prova selectiva ao Torneio Pré-Olímpico de Tenerife, Espanha, vai folgar na ronda inaugural por imperativo de calendário. As duas selecções, que estão fortemente engajadas no alcance do passe de acesso ao Torneio Pré-Olímpico, vão seguramente aproveitar o dia de hoje para limar as últimas arestas, antes de entrarem em cena na prova que encerra domingo, dia 17, com a disputa das partidas das meias-finais.
Moçambique, que nesta altura, é treinada por uma dupla caseira, constituída por Leonel Manhique e Deolinda Nguléle, esta última antiga internacional, está fortemente empenhada em lutar por um dos lugares do Torneio Pré-Olímpico.
“Estamos a jogar em casa e temos a responsabilidade de lutar por um dos passes de acesso ao Torneio Pré-Olímpico”, augurou o jovem treinador Leonel Manhique, de 37 anos de idade.
O mesmo pensamento foi partilhado por Francisco Mabjaia, presidente de direcção da Federação de Basquetebol de Moçambique.