Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola em grande nos africanos de Vela e Remo

19 de Outubro, 2014

Angola conseguiu o sexto lugar por Lourenço Simão e oitavo por Osvaldo da Gama numa competição bastante disputada

Fotografia: Domingos Cadência

O atleta angolano esteve bem na prova, sempre ao lado de Diogo Sanchz de Moçambique que liderou a prova e Remi Ridene da Tunísia, que ficou com a terceira posição.

Angola conseguiu ainda o sexto lugar por intermédio do Lourenço Simão ao passo que o Osvaldo da Gama conseguiu o oitavo lugar. Osvaldo da Gama pode beneficiar de uma medalha, por ser o primeiro atleta com menos de 12 anos de idade na competição.

Toda a equipa masculina esteve no top 10 por ser a única com o melhor conjunto de classificações do campeonato e do próprio historial.

Na contagem por equipa, Moçambique foi o grande vencedor da competição afastou  a equipa do Omã que ficou no segundo posto.

O vice-presidente da Federação Angolana dos Desportos Náuticos para Vela, Nuno Gomes, considerou positivo o nível competitivo dos atletas nacionais na prova. O dirigente referiu que apesar de os velejadores nacionais não serem comparados aos de nível internacional, em África os angolanos já são vistos como grandes rivais.

“Apesar de continuar a escapar-nos  o ouro, hoje o nível dos nossos atletas é bom, embora não possam ainda ser comparados aos atletas de nível mundial. O ano passado estivemos no mundial com atletas de todas as classes e constatámos grandes diferenças. Mas em África  já somos uma referência. Estamos de parabéns”, disse.

Nuno Gomes esclareceu ser muito natural, as desigualdades entre os velejadores nacionais e os de outras nações, pelo facto de existirem países que praticam a vela há mais de 30 anos. “A vela nacional evoluiu muito no âmbito organizacional das regatas, assim como o nível competitivo dos atletas, mas ainda assim, é natural que se registem algumas diferenças pelo tempo que as outras formações praticam a modalidade”, disse.

Participaram na  competição Angola, África do Sul, Argélia, Marrocos, Moçambique, Tunísia, Tanzânia e Zimbabwé. Como convidados estiveram Oman, Emiratos Árabes Unidos, Dinamarca e a França.

FELICIANA DA SILVA
CONQUISTA BRONZE


A comitiva angolana presente em Marrocos no Campeonato Africano de Optimist foi surpreendida com a atribuição do terceiro lugar da classificação geral, a atleta nacional, Feliciana da Silva.

Quando se pensava regressar com o quarto lugar, em plena festa de distribuição de prémios, surgiu a informação de que a atleta da Ilha de Reunião que ocupava  o terceiro lugar, esteve inscrita pela França e com a licença igualmente francesa, não podia  portanto ser premiada no Campeonato Africano.

Desta feita, a atleta angolana Feliciana da Silva ocupou o terceiro lugar. A classificação perfila a Nhaquile Deisy de Moçambique na primeira posição, Akil Nouha Alya da Argélia em segundo e Feliciana da Silva em terceiro lugar.

Angola regressa  como três taças ( segundo lugar na classificação geral Open África e convidados), segundo lugar na classificação geral africana e terceiro lugar na classificação feminina.


 Remo
Angola conquista
medalha de prata


 A Selecção Nacional de remo de sub-20 em masculino conquistou sexta-feira a medalha de prata na especialidade de duplo pesado M2X, no Campeonato Africano das Nações que decorre em Tipaza, Argélia, soube a Angop de fonte oficial.

De acordo com a Federação Angolana de Desportos Náuticos (FADN), o combinado nacional, formado por André Matias e Jean-Luc Rasamoelina conseguiu o triunfo após uma fuga na final do percurso em que deixou para trás a Argélia, que ao longo da corrida esteve sempre em segundo lugar, que infelizmente acabou no terceiro posto.

A vice-presidente da  FADN que testemunhou a prova, Olga Albuquerque, adiantou  à Angop que a final foi renhida entre Angola, Argélia, Egipto, Marrocos, Tunísia e Zâmbia, na qual os egípcios conseguiram o primeiro posto.

Esta é a primeira participação de Angola numa prova africana desde que o remo se tornou modalidade federada nos anos 90 no país.