Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola no centro das atenes

Joo Francisco - 10 de Abril, 2015

Ncube ( direita) visitou a Escola Macovi no bairro Neves Bendinha liderada por Mbeco

Fotografia: Joo Francisco

A mais recente visita de cinco dias a Angola do presidente da Confederação Africana de Xadrez, o zambiano Lewis Ncube, confirmou a importância que o organismo reitor do "jogo ciência" continental dedica ao país. Apesar da visita conotada de "privada" pela Federação Angolana de Xadrez, a Associação Provincial de Xadrez de Luanda (APXL) criou um programa Ad-hoc à última hora que levou Lewis Ncube aos agrupamentos de ensino da modalidade nas comunidades.

Depois de ter passado pelo IMNE-Marista (Instituto Médio Normal de Educação), uma das instituições que enquadrou o Xadrez como actividade lúdica de opção para os estudantes, no quadro da reforma educativa em Angola, Lewis Ncube visitou igualmente os agrupamentos de ensino de xadrez no Bairro Neves Bendinha (ex-bairro Popular), liderados pela Escola Macovi.

Nessa escola, localizada no Largo Augusto N'gangula, Lewis Ncube tomou conhecimento que a Federação Angolana de Xadrez não apoia as instituições específicas do ensino da modalidade. A existência e o sucesso das mesmas resultam dos sacrifícios dos seus responsáveis, que fazem "das tripas  coração". A promoção e o incentivo à prática do xadrez são iniciativas das próprias escolas. Na visita guiada pela Associação Provincial de Xadrez de Luanda, o responsável da instituição no continente assistiu a uma das sessões de ensino da modalidade, com destaque para os torneios submetidos aos atletas dos escalões de formação permanentemente.

A Mestre Internacional e bicampeã africana Esperança Caxita e o Mestre Internacional David Silva são atletas formados na Escola Macovi. Os dois adolescente recuperaram para Angola os títulos africanos nos escalões de formação ao vencerem os campeonatos, em Dezembro de 2014, no Egipto, e Dezembro de 2015, em Saurimo, província da Lunda Sul.
No final da sua visita à Escola Macovi, Lewis Ncube assegurou sensibilizar as autoridades reitoras do país a apoiarem aqueles que se dedicam ao ensino de xadrez e incentivou os activistas da modalidade a continuar a prática regular nas competições internacionais.

Para Lewis Ncube, Angola é um dos países com maior potencial regional e continental que assegura um futuro risonho da imagem de África nas competições mundiais.


ESPERANÇA CAXITA
Título de Mestre
em perspectiva


Os activistas angolanos partilharam com o presidente da Confederação Africana a possibilidade da primeira Grande Mestre (GM) negra do xadrez africano poder emergir de Angola e tendência recai a Mestre Internacional Esperança Caxita, bicampeã africana de juniores. A adolescente angolana já dispõe de duas "normas" para atingir o desiderato, restando apenas uma para atribuição do título de "GM" em definitivo.

Esperança Caxito, que obteve o título de Mestre Internacional no Campeonato Africano disputado em 2013, em Tunes (Tunísia), repetiu a proeza no ano passado em Angola e pode atingir o título de Grande Mestre nos próximos anos, caso a Federação Angolana de Xadrez não interrompa as fases normais da sua progressão.

Além de Esperança Caxita, o Mestre Internacional David Silva, que obteve o título na mesma faixa etária, é outra das grandes promessas do xadrez angolano.
Ambos e outros "talentos" que emergem da Escola Macovi receberam do presidente da Confederação Africana de Xadrez o conforto de facilitar as suas deslocações a fim de participar nas competições continentais e mundiais para assegurar a continuação das suas trajectórias revestidas de êxitos.
JF