Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola perde vice-presidência

Rosa Napoleão - 14 de Setembro, 2016

Pedro Emous e pares solicitam apoio das empresas para presença no Congresso da União Internacional no Vietname

Fotografia: Jornal dos Desportos

A República de Angola perdeu a vaga da vice - presidência para a Zona Austral da União Africana de Jiu Jitsu, por não marcar presença no Congresso realizado a meio do mês passado, na África do Sul. Dificuldades financeiras podem estar na base da ausência da Federação Angolana, segundo o secretário - geral da instituição, Pedro Emous.

"Perdemos a oportunidade de conquistar este importante cargo, para o nosso país, por falta de dinheiro para a compra de bilhetes de passagem e de estada", justificou o secretário -geral. A grave situação financeira pode voltar a impedir a presença de Angola no dia 24 do corrente no Vietname, palco do Congresso da União Internacional de Jiu Jitsu. A delegação deve deixar o país no próximo dia 16,  e até ontem, não tinha os bilhetes de passagem.

NACIONAL ESTÁ
SEM DINHEIRO

O futuro do Jiu Jitsu em Angola caminha num beco sem saída. A menos de três meses e meio do  fim do ano desportivo 2016, a direcção da Federação Angolana da modalidade está de braços atados para cumprir com os compromissos assumidos. A falta de dinheiro condiciona a realização do campeonato nacional de seniores, agendados para o mês corrente. O grito de socorro vem de Pedro Emous.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Pedro Emous assegura que da dotação cabimentada no Orçamento Geral do Estado para a presente época, só receberam um milhão de kwanzas, dos sete milhões definidos.

O valor atribuído no início do ano "está esgotado",  serviu para realizar as primeiras actividades. Perante o silêncio das entidades competentes do Estado, pela atribuição de verbas e sem as fontes alternativas, a direcção da Federação Angolana adiou a realização do campeonato nacional de seniores previsto para este mês, em Ndalatando, província do Cuanza Norte, para o mês de Novembro.

"A Federação Angolana só se movimenta com dinheiro que recebemos do Ministério da Juventude e Desportos. O valor atribuído na primeira tranche (1 milhão de kwanzas) está esgotado. Não temos patrocínios, o que torna as coisas muito mais difíceis", disse Pedro Emous.Os efeitos colaterais da crise financeira começam a sentir-se no seio da modalidade. As poucas competições realizadas na época, impedem o crescimento competitivo dos atletas.

"A fase difícil da modalidade coarcta as oportunidades para os atletas demonstrarem o que aprendem nos treinos. Angola já é um nome cravado no mundo. A nossa ausência em provas internacionais contribuem para a redução dos níveis competitivos dos nossos campeões mundiais", ressaltou.

A direcção da Federação mantém a esperança de receber a parte em falta, para levar avante as realizações das competições. Em Ndalatando, o evento tem como objectivo dar mais rodagem competitiva e despertar a juventude local para a prática do Jiu Jitsu. O certame vai ser disputado em todas as categorias de peso e comporta as selecções provinciais.As inscrições continuam na sede da Federação Angolana de Jiu Jitsu, à Cidadela Desportiva. Na última edição disputada em Luanda, a selecção do Uíge foi campeã nacional.