Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angola vence a Sua e mantm nono lugar

28 de Junho, 2015

A Seleco Nacional repetiu ontem, a classificao alcanada no mundial de 2013

Fotografia: Jos Cola

Com a mesma classificação em disputa, o mesmo adversário, o mesmo palco só com a   diferença de ser o pavilhão Vendespace de La Roche Sur Yon e não Angola, onde a equipa nacional teve público a apoiar. A comunidade de angolanos nos primeiros jogos formaram claques, porém  os suíças jogavam com o apoio nas bancadas de cerca de 100 apoiantes.

As equipas desceram ao piso do pavilhão e com o som do árbitro começaram um jogo equilibrado que só veio a ser decidido nos minutos finais. Angola saía com o cinco habitual, constituído por Payero, Centeno, João Pinto e Big no campo, enquanto Veludo defendia a baliza. 

A partida começou intensa, com muita circulação de bola e intencionalidade, de ambas as partes. Angola chegou primeiro e cedo ao golo. Martin Payero que  ia acabar  por fazer o “hat trick” marcou aos dois minutos, mas o tempo de comemoração ainda não tinha terminado, quando Munger igualou, no minuto três.

A Selecção Nacional assumiu as despesas do jogo e não marcou mais por ter denotado a fraca percentagem na concretização dos lances livres. Payero falhou um, aos 11 minutos e Johe falhou outro, a um minuto do fim do primeiro turno do jogo e o resultado ao intervalo não se alterou.

A pausa parece ter relaxado a selecção angolana, que entrou a “perder”, porque jogou três minutos e consentiu um golo, de penalti, marcado por Jimenez. O objectivo estava a ser dificultado. Orlando Graça mexeu na equipa, lançou Márcio para a quadra e seis minutos depois veio o resultado. O jogador do Petro de Luanda refez a igualdade, aos nove minutos da etapa complementar.

Havia muito ainda que jogar. A Suíça que tinha perdido no Namibe por fáceis 6-1, queria corrigir as coisas e vingar-se em solo europeu. Ao minuto 30, logo a seguir ao golo de Márcio, Payero voltou a marcar e colocou Angola à frente do marcador, lutava-se muito lá na quadra. Aos 34 minutos, novo empate. Greimel marcou e colocou o fantasma das penalidades na mente de atletas e todos os poucos angolanos que estavam na sala.
Foi quando Payero, passados dois minutos, interrompeu o sofrimento dos angolanos e marcou o golo mais precioso da partida. Angola ficou com o nono lugar, pela segunda vez consecutiva.

FICHA TÉCNICA
ANGOLA: 1-Hugo Garcia, 2- Centeno, 3- Nery, 4- Filipe Bernardino, 5- Márcio Fernandes (1), 6- Johe , 7- Payero (3)8- Big, 9- João Pinto, 10- Veludo.

Técnico
: Orlando Graça
( angolano)

SUÍÇA: 1- Oberson, 2- Jonas Jimenez (1), 3- Chaffer, 4- Gael Gimenez, 5- Munger (1), 6- Greimel (1), 7- Kissling, 8- Imhof, 9- Vanina, 10- Vizio.

Técnico:
Rubi Stefan
( suíço)
Intervalo: 1-1
Final do Jogo: 4-3


 


CONDIÇÕES
Árbitros dão ultimato à Firs

O campeonato do mundo de hóquei em patins, em sub 20, marcado para o mês de Setembro em Villanova, Espanha, pode ter boicote da arbitragem se a Federação Internacional de Rink Hockey (Firs) não criar melhores condições para os árbitros que convoca para as suas provas.

De acordo com Patrícia Costa, árbitra angolana, que apitou em La Roche Sur Yon, “é inadmissível a desorganização que há no sector da arbitragem”. Durante a disputa do mundial, os juízes convocaram uma conferência de imprensa em que denunciaram a falta de equipamentos, falta de uma coordenação técnica e prémios muito baixos.

“Os equipamentos que estamos a usar foram ofertados por um membro da delegação angolana, que teve de os comprar e estampar à um dia da prova. Não temos uma coordenação técnica, as nomeações vêm da Itália, porque o presidente do Comité Internacional de Arbitragem é italiano e teve, alegadamente, problemas familiares, então faz as nomeações a partir de Itália. Outro assunto é o que se dá como prémio. É inaceitável que para todos os dias do mundial ainda se pague 100 dólares de prémio aos árbitros”, disse.

Na conferência de imprensa, os árbitros afirmaram que só a paixão que têm pela modalidade os levou a actuarem neste mundial,  caso as condições não mudem, vão cruzar os braços nas próximas provas da Firs.


DESFECHO

Brasil faz retaliação
e A. Sul fica na cauda

Cinco golos marcados e três sofridos, foram os números da vingança brasileira sobre a Áustria, no jogo de decisão do 11º lugar do Campeonato do Mundo que encerrou ontem em La Roche Sur Yon em França.

Valeu aos brasileiros a maior serenidade na parte final da contenda em que lograram os golos da vitória, por Duarte e Diego Santos. Ao intervalo, nada estava decidido, cada equipa tinha apontado dois golos. Logo na parte inicial do reatamento, surgiram os golos brasileiros, por Alan Fernades, primeiro, Diego e Duarte que fecharam a conta antes dos dez minutos jogados.

A Áustria tentou imprimir mais velocidade ao seu jogo e teve o prémio de um golo, conseguido a três minutos do fim, quando a sorte já estava definida.

A Colômbia, por sua vez, ficou na primeira divisão, após despachar a Holanda. No jogo de definição do 13º lugar, os sul-americanos marcaram a dobrar os golos conseguidos pelos holandeses, 4-2. Com este resultado, Holanda não conseguiu manter-se no mundial A.

A África do Sul não conseguiu melhor do que a alegria de marcar cinco golos pela primeira vez na prova, golos que não foram suficientes para fugir do último lugar do mundial. Perdeu por 6-5 num jogo equilibrado e de fraco nível técnico.