Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angolanos com medalha de bronze ao peito

23 de Maio, 2016

Angolanos com medalha de bronze ao peito

Fotografia: Jornal dos Desportos

Com vista a participação aos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, em Setembro do corrente ano, a selecção nacional de atletismo regressa ao país com três medalhas de bronze, obtido no Meeting Internacional Caixa Loterias, que decorreu até sábado nas terras brasileiras do flamingo. O evento serviu de teste para avaliar os níveis competitivos dos atletas e do comité organizador.

Na prova disputada no Estádio João Havelange, a velocista Catarina Francisco, da província do Namibe, protagonizou o primeiro feito da selecção nacional ao cronometrar 1min6s68, na prova de 400 metros para classe T13 (deficiente invisual parcial). O tempo levou a atleta angolana a ocupar o último lugar do pódio.

O veterano Octávio dos Santos, da classe T11 (invisual total) voltou a erguer a bandeira nacional no pódio. Com o tempo de 54s92, o velocista da província de Luanda percorreu os 400 metros e subiu ao terceiro lugar do pódio.A mesma sorte não teve José Chamoleia. O atleta do Huambo foi desqualificado por infracção à pista. Acometido de gripe e tosse, o atleta angolano ainda terminou na terceira posição à frente de Octávio dos Santos.

A prova foi vencida por Felipe de Sousa (Brasil) com o tempo de 51s26, secundado pelo compatriota Daniel Silva com 52s78. A terceira medalha de Angola chegou nas mãos de Alberto Lussasse, da província do Bié. Com o tempo de 4min21s62, o angolano subiu ao último lugar do pódio da prova de 1500 metros da classe T46 (deficiente motor ou amputado de um dos membros superiores).

Angola participou do evento-teste dos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro com objectivo de melhorar as marcas pessoais e aumentar o número de atletas com mínimos definidos pela Comité Paralímpico Internacional. Nesse desiderato, Catarina Francisco e Joaquim Manuel (ambos da classe T3), na prova de 400 metros, conseguiram o feito.

Estão habilitados para os Jogos Paralímpicos, para além dos atletas classificados com mínimos, Octávio dos Santos, José Chamoleia, Esperança Gicaso e Befília Buyo (classe T11) e Alberto Lussasse (T46).

BEFÍLIA BUYO BATE
RECORDE DE ÁFRICA


Befília Buyo, da classe T11 (invisual total), bateu o recorde africano na especialidade de 1.800 metros durante o Meeting Internacional Caixa Loterias, terminado sábado último no Rio de Janeiro. A fundista e também velocista cronometrou a prova com o tempo de 5min3s36 e superou a então melhor marca do continente africano pertença da sul-africana Louzanne Coetze, com 5min18s44.

Buyo não logrou conquistar medalha no Meeting. Porém, além do recorde continental, também melhorou a marca pessoal nos 400 metros que passa de 1min3s84 para 1min2s36. Nascida no município do Nhareia, província do Bié, a 18 de Agosto de 1984, a atleta deficiente invisual tem três participações no Meeting Internacional do Brasil, organizado anualmente.

Em 2014, na sua estreia, conquistou uma medalha de prata nos 800 metros e outra de bronze nos 400m. A atleta obteve na edição de 2015 uma medalha de prata, nos 800 metros, sempre com acompanhado pelo guia Eduardo Chimboto, desde 2010.