Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angolanos correm no Brasil

Hélder Jeremias - 15 de Outubro, 2014

Pilotos angolanos estão esperançados em fazer das melhores participações de sempre num evento de nível mundial

Fotografia: Jornal dos Desportos

A direcção da Federação Angolana dos Desportos Motorizados efectua os trâmites em torno da constituição dos pilotos integrantes do Team Angola, que vai representar o país na prova todo-o-terreno denominada “Baja Portalegre 500”, pontuável para a Taça do Mundo de Rali, a ter lugar de 30 a 31 do corrente no Brasil.

A informação foi avançada por Sónia Peixoto, secretária-geral da Federação angolana, em declarações ao Jornal dos Desportos.
A responsável deu a conhecer que nesta empreitada o país vai estar representado por dez pilotos dos 42 pilotos a evoluírem no Campeonato Angolano de Rali/Raid Carr-2014. A competição nacional apresenta um nível técnico que permite uma representação condigna numa das maiores provas radicais, segundo Sónia Peixoto.
O convite foi feito no mês de Setembro do ano em curso, durante a visita ao país de membros da organização do Rali Dakar Series, para constatar as condições para que Angola possa acolher uma das séries da mediática prova em 2015, de acordo com Sónia Peixoto.

No mesmo período, os membros da organização do Rali Dakar Series mantiveram contactos com as autoridades nacionais e abordaram temas afins.
A qualidade das provas de rali enquadradas no Campeonato Angolano de Rali/Raid-Carr e o nível de crescimento dos pilotos nacionais são elementos que se situam na base do convite,     justificou Sónia Peixoto, antes de acrescentar que “a experiência a ser acumulada vai fazer toda a diferença no âmbito do desenvolvimento desportivo”.

A responsável federativa recordou que Angola já esteve presente noutra etapa da Taça do Mundo por intermédio de Rodrigo Morais, Rui Cunha, Débora Almeida e Rómulo Branco. As estreias de Rui Cardoso, José Mira, Amilton Gomes, Marta Oliveira, João Fernando, Hélder Coelho "Vuty" e João Costa espelham o crescimento do número de internacionalização dos angolanos.O piloto José Mira já se encontra no local da competição e aproveita os dias que antecedem o embarque dos demais companheiros para providenciar as condições de trabalho e o aluguer de automóveis com que vão competir. A intenção é acautelar os custos inerentes ao transporte de meios técnicos a partir do país.

“Devido às dificuldades materiais, cada piloto deve assumir as suas despesas. A Federação Angolana dos Desportos Motorizados apenas fornece o apoio institucional”, frisou Sónia Peixoto.


RALI ANGOLANO
Crescimento surpreende Pedro Cristina


O coordenador do Campeonato Angolano de Rali/Raid-Car, Pedro Cristina, mostrou-se surpreendido pelo crescimento das equipas nacionais e dos pilotos individuais nas competições todo-o-terreno, três anos depois do arranque.

Um dos grandes indicadores positivos refere-se ao facto da prova contar, com 43 pilotos, quando nas duas primeiras edições não atingiam uma vintena de participantes, conforme Pedro Cristina. O coordenador ressaltou que em pouco tempo é notória a excelente qualidades de equipamento apresentado.

O também proprietário da promotora de eventos e revista especializada, Ekuipa, sublinha ainda a disputa renhida que se vislumbra nas duas últimas jornadas do Campeonato Nacional. Pedro Cristina tem como pressuposto a possibilidade matemática de cinco pilotos conquistarem o título de campeão nacional na classe E2.

O responsável garantiu ao Jornal dos Desportos, que as condições estão a ser criadas para que as duas últimas jornadas da época marcadas para os dias 8 e 9 de Novembro (em Luanda) e 6 a 7 de Dezembro (Rali do Sumbe) decorram com pompa e circunstância.

O piloto Henrique Van Unde, do Team Ventura Angola, lidera a classe M. Rui Cunha, MM Racing team, ocupa o topo da tabela na categoria Q. Na classe TT, Sandro Dias, pelo rali Raid Racing é o piloto mais pontuado. O seu colega de equipa, Dário Guerreiro, comanda a lista na classe TT co-piloto. Na categoria E1, o destaque vai para o piloto do Kambas Racing Team, Fábio Brunido.
A equipa Tropicália/Welvitcha Racing team lidera a categoria E2 por intermédio de José Roxo.            
Helder Jeremias