Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Angolanos voltam a pedalar forte

Álvaro Alexandre - 16 de Outubro, 2015

Benfica pode entrar na história como a primeira equipa vencedora da Volta a Angola

Fotografia: José Soares

A oitava etapa da Volta a Angola em bicicleta, que compreende o percurso entre Quibaxe e Caxito, numa distância de 123 quilómetros, disputa-se hoje, a partir das 10h00, com uma perspectiva de equilíbrio. A equipa Defense de França pretende encurtar ou empatar o tempo do Benfica de Luanda, líder da competição internacional.

Separados na tabela de classificação por um minuto e meio, o francês Grzegorz Kwiatkowski pode ser a principal surpresa da equipa de Defense de França. Ontem, para a sétima jornada, foi apenas o último inquilino do pódio. Donos de melhor performance nos traçados planos, os franceses vão enfrentar curvas, subidas e descidas. A irregularidade do relevo pode facilitar o Benfica, "reis" das montanhas.

A superação de Defense de França vai exigir muito esforço. As condições técnicas da estrada pode ser outro principal adversário. O asfalto apresenta irregularidades, que podem provocar acidentes, à semelhança do que aconteceu ontem no troço entre Uíge e Quibaxe.

Quatro ciclistas tiveram de ser assistidos pela equipa médica. O congolês democrático Lilemo Macabe foi transportado de helicóptero para uma das unidades hospitalares da capital do país, Luanda, face à fractura que teve no ombro esquerdo. Os demais foram assistidos pelos profissionais do Instituto Nacional de Emergências Médicas de Angola (INEMA) e continuaram em prova. O director de prova, Luís Neves, disse que o atleta passa bem e os outros três tiveram pequenas escoriações.

A organização da Volta a Angola está atenta à situação e pode reduzir o percurso para acautelar-se de potenciais incidentes com os participantes. Se até o arranque não houver pavimentação nos troços identificados com buracos, a prova pode terminar antes da meta prevista. O director de prova, Luís Neves, assegurou que "o percurso é complicado" e vai obrigar à organização "algum cuidado".  Para a prevenção, os comissários estão orientados para avisarem os participantes com a sinalização prévia.

Ontem, o Benfica de Luanda foi o mais forte e consolidou a liderança da prova. Na classificação individual, Dário António triunfou pela segunda vez com o registo de 4h34min55, seguido de Igor Silva, seu colega de equipa, com o mesmo tempo. Assim, o "chefe de fila" da equipa encarnada continua com a camisola amarela. Na terceira posição ficou o francês Grzegorz Kwiatkowski.

A duas provas do final, Dário António está crente na vitória da equipa de Luanda no próximo sábado em Luanda. O vencedor da sétima etapa precaveu os demais colegas de equipa que nada está ganho após mais uma vitória. Dário sustenta que é necessário o esforço de todos para que os angolanos possam ser brindados com o título na meta a afixar na Petrangol, distrito de Sambizanga.