Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Antigo maratonista Salazar desmente ligações ao doping

08 de Junho, 2015

O documentário apresenta vários outros atletas e técnicos que passaram pelo "projecto Oregon"

Fotografia: AFP

Alberto Salazar, antigo maratonista norte-americano e treinador responsável pelo ressurgimento do meio-fundo nos Estados Unidos, é acusado de ter encorajado o doping de Galen Rupp, actual vice-campeão olímpico dos 10.000 metros. Tanto Salazar como Rupp, que agora tem 29 anos e é o actual recordista nacional da dupla légua, desmentem o quadro avançado pela Panorama, que investigou o campo de treinos Nike de Portland, Oregon.

Steve Magness, que já foi adjunto de Salazar, disse ter ficado chocado quando viu documentos com os níveis de testosterona de Rupp, em 2011. Salazar defende-se da acusação e diz que se trata de uma referência errada ao suplemento permitido Testoboost. O documentário apresenta vários outros atletas e técnicos que passaram pelo "projecto Oregon", consensuais em referir que Salazar recorria ao uso de substâncias proibidas.

TAÇA EUROPA
Portugueses com fraca
prestação em Chia Pula

Os atletas portugueses tiveram uma fraca actuação na Taça da Europa de 10.000 metros, hoje realizada em Chia Pula, na Sardenha italiana, ficando nas últimas classificações tanto em masculinos como em femininos. Para tal, muito contribuiu a ausência dos melhores especialistas nacionais, nomeadamente no sector feminino.

Sem Sara Moreira e Dulce Félix, que lideraram a equipa que na época passada ganhou colectivamente, e ainda sem Jéssica Augusto, Portugal passou do primeiro ao sétimo e último lugar colectivo na competição feminina e as atletas portuguesas ocuparam as três últimas posições individuais, não considerando as três desistentes, entre as quais esteve Catarina Ribeiro, a mais credenciada das atletas nacionais. Na prova masculina, os três atletas portugueses correram na série B (a mais fraca). Dois deles ocuparam as últimas posições e o terceiro, Rui Teixeira, o mais credenciado, foi um dos desistentes. Portugal não se classificou colectivamente.

O turco Polat Arikan foi o vencedor individual, pelo terceiro ano consecutivo, gastando 28.09,47 minutos e chegando com 16 segundos de vantagem sobre o espanhol Juan Pérez, segundo classificado. A Itália ganhou colectivamente. A prova feminina foi ganha pela espanhola Trihas Gebre, de origem etíope, que gastou 32.14,94 horas, deixando igualmente longe a segunda, a italiana Valeria Straneo. A Grã-Bretanha triunfou colectivamente.