Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Armstrong é considerado como bom aluno de Fuentes

13 de Março, 2013

Lance Armstrong era descrito por Eufemiano Fuentes

Fotografia: AFP

Lance Armstrong era descrito por Eufemiano Fuentes, principal figura da Operação Puerto, como "o bom aluno que ganhou sete prémios na escola". A referência ao norte-americano foi apanhada nas escutas ao médico espanhol, mais concretamente numa conversa com o ciclista alemão Jorg Jaschke."Tive bons alunos, como esse que ganhou sete prémios na escola. Às vezes é mérito do professor e outras do aluno", referiu Eufemiano Fuentes.

No início das audições das escutas telefónicas do processo os técnicos chegaram a conclusão que as práticas realizadas pelo médico Eufemiano Fuentes eram "artesanais". A audição tinha se concentrado nos dias 13 e 14 de Maio de 2006, um fim-de-semana muito movimentado para o médico, com solicitações de vários "clientes" que se encontravam na Volta a Itália em bicicleta. Devido à ausência do seu especialista em hematologia, José Luis Merino Batres, de férias nesses dias, Fuentes confessou ter ficado "histérico" por ter não ter meios para conservar vários sacos de sangue dos seus ciclistas. Numa conversa com Merino, excluído do julgamento por sofrer de Alzheimer, expressa as suas preocupações, reconhecendo que é responsável por tudo.

As conversas telefónicas revelam um sistema ilegal e altamente precário, além de permitirem identificar alguns dos ciclistas envolvidos. A 13 de maio, Fuentes, o cérebro do esquema de dopagem, foi apanhado pelas escutas a falar com o preparador físico José Ignacio Labarta sobre a classificação da oitava etapa do Giro, corrida nesse dia. "O Búfalo [José Enrique Gutierrez] chegou em quarto, Birillo [Basso] está a 16 segundos, Zapatero [Michele Scarponi] a 20 e o numéro um [ainda por identificar] a 24. Todos muito bem", descreveu na altura o médico espanhol.

Ciclismo
Título do Tirreno
nas mãos de Nibali

O italiano Vincenzo Nibali renovou o título no Tirreno-Adriático, terminando a prova italiana à frente do britânico Chris Froome, da Sky (a 23 segundos), e do espanhol Alberto Contador, da Saxo-Tinkoff, que ficou a 52 segundos. O ciclista da Astana defendeu a liderança na última etapa, um contrarrelógio de 9,2 quilómetros, ganho pelo alemão Tony Martin, da Omega, vencedor da Volta ao Algarve deste ano.