Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

"As pessoas no servem o desporto"

Gaudncio Hamelay | No Lubango - 11 de Fevereiro, 2019

Nos últimos anos, o desporto nacional tem merecido opiniões divergentes nas avaliações dos agentes. Desta vez, foi considerado \"não estar bem de saúde\" por envolver muitos valores monetários. Os praticantes e outras pessoas envolvidas não estão comprometidas pela causa, mas pelo interesse financeiro. A apreciação é do novo chefe de Departamento da Juventude e Desportos do Gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos da Huíla, Romualdo Baltazar.
O novo dirigente reiterou que havia mais comprometimento das pessoas no passado que nos dias correntes. O dinheiro passou a ser o \"mote\" da prática do desporto em Angola. Para Romualdo Baltazar, fazia-se o desporto por amor à camisola e os carolas actuavam para o êxito das coisas.
\"Hoje, as pessoas não servem o desporto, mas servem-se do desporto\", disse o antigo árbitro nacional num debate organizado pelo Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos local no âmbito do Dia Nacional dos Desportos, celebrado a 23 de Janeiro.
Nomeado há dias pelo Governador Provincial da Huíla, Luís Fonseca Nunes, para substituir o antigo árbitro auxiliar nacional Eduardo Samuel José, Romualdo Baltazar lembrou que os antigos professores de Educação Física estavam formados e dotados para leccionar a disciplina.
\"Hoje, vemos professores de Educação Física, muitos dos quais não têm dom para estar nessa disciplina. Desculpem-me pela franqueza. Estão nesse ramo por questão de necessidade\", disse.
O chefe de Departamento da Juventude e Desporto sustentou que a situação financeira e económica do país nos últimos anos contribuiu para o surgimento de \"gente que está a mutilar o desporto\".
Romualdo Baltazar defendeu a necessidade de se arranjar meios para se dar imputes aos professores de educação física com deficiências no capítulo de formação. Uma das sugestões apresentada é \"fazer testes psicotécnicos\" na admissão à semelhança dos que integraram o Instituto Médio de Educação Física do Namibe nos tempos idos.
\"Muitos foram para lá com intento de procurar o primeiro emprego e reprovaram nos testes por falta de capacidade para serem professores de educação física\", lembrou o responsável.
Romualdo reitera que nos dias correntes, \"o indivíduo é professor de matemática, mas por falta de vaga nessa cadeira é empurrado a leccionar a de educação física para preencher a vaga existente\".
A esperança de dias melhores do desporto preenche o sonho de Romualdo Baltazar. A abertura de cursos superiores de educação física e desportos em diferentes universidades do país e, em particular, no Instituto Superior de Ciências de Educação da Huila, vai colmatar as deficiências existentes nos professores.

INSERÇÃO DE PROFESSORES
Huíla aposta em escolas pilotos

O governo da província da Huíla tem em carteira a criação de duas escolas pilotos em cada município para absorver os professores de educação física formados pelo Instituto Superior de Ciências de Educação local. As instituições vão servir de base de sustentação da massificação do desporto escolar.
A estratégia do Gabinete Provincial da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos vai incidir no ensino primário para prevenir a mutilação do desporto escolar, segundo Yuri de Oliveira, funcionário da instituição.
Confirmou a existência de professores de outras disciplinas curriculares a leccionarem a cadeira de educação física. Para se pôr fim às anomalias, os Gabinetes da Juventude e Desportos e da Educação decidiram elaborar um projecto que resulta das deliberações do encontro dos primeiros licenciados em Educação Física pelo ISCED-Huila. A apresentação do projecto vai ser feita num Encontro Metodológico a anunciar-se nos próximos dias.
O Jornal dos Desportos apurou que, a partir da sétima classe, os alunos devem ser leccionados por professores licenciados em educação física. A medida vai reduzir a carga horária dos professores em regime de mono-docência.