Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Associação do Moxico clama por apoios

Daniel Melgas, no Luena - 14 de Dezembro, 2013

Crianças do Luena precisam de tabuleiros para dar início ao fomento desportivo inserido no programa do Executivo

Fotografia: Jornal dos Desportos

A falta de atenção e de apoio da Federação Angolana de Xadrez à Associação Provincial do Moxico está a inviabilizar o crescimento da modalidade no leste do país. A constatação é do presidente da associação local, João Caiombo, quando abordava o estado do desporto-ciência na província.

João Caiombo disse ao Jornal dos Desportos que o projecto de massificação do xadrez está estagnado na província do Moxico por falta de tabuleiros e de relógios, o que deixa desmotivados os aspirantes à modalidade.

A direcção da Federação Angolana de Xadrez, liderada por Aguinaldo Jaime, nenhuma atenção presta à região leste do país, segundo João Caiombo. O dirigente associativo aponta a região Sul e Norte como as mais beneficiadas com apoio de materiais desportivos.

“A relação com a FAX não é muito boa. Não nos apoia. Falta-nos tudo aqui. O único material à nossa disposição foi oferecido pelo antigo Director Nacional dos Desportos, Raimundo Ricardo. De lá para cá sobrevivemos com a ajuda de alguns amigos.”

O material distribuído há três anos nas escolas para o projecto de massificação do desporto individual está vencido pelo tempo recomendado e apresenta roturas, disse João Caiombo.

Para reverter a situação, João Caiombo apela ao presidente da FAX, Aguinaldo Jaime, para adoptar outra estratégia de trabalho que vise dinamizar o xadrez em todas as regiões do país em igualdade de circunstâncias. “Sentimo-nos marginalizados”, disse.

Apesar de a associação de xadrez do Moxico possuir apenas 12 tabuleiros e oito relógios, dos quais quatro avariados, a tendência da evolução de xadrez “está acima da média”. Antes de 2008, a associação tinha 30 atletas, mas até a realização do último campeonato, em Novembro, o número subiu para mais de 50 praticantes. Durante o certame disputado por 19 atletas registou-se um nível competitivo aceitável. Aires Kambuande foi o vencedor. No âmbito da estratégia nacional de desenvolvimento do desporto em Angola até 2017, João Caiombo acredita que, com mais apoio, o xadrez pode registar índices de crescimento no Moxico.