Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Associados cobram instalações

Silva Cacuti - 04 de Setembro, 2016

Elenco cessante reclamou falta de instalações e de passagem de pastas

Fotografia: M. Machangongo

A questão da gestão das instalações cedidas pelo Governo Provincial de Luanda à Associação de andebol (Apal) no Estádio dos Coqueiros, foi ontem o tema candente da Assemblei -Geral da Associação. O assunto foi abordado durante a leitura e análise do relatório de actividades e contas do mandato de António Custódio "Mano".

O elenco cessante deu a conhecer que durante os quatro anos de mandato não contou com instalações,  não houve passagem de pastas da anterior gestão, e falta de colaboração dos anteriores gestores da Apal, na cedência do imóvel.

"Sabemos onde está o património, só que nestes quatro anos tivemos muitas dificuldades, e como somos todos da família do andebol, não vimos necessidade de criar confusão, achamos que a melhor forma seria de modo amigável, vamos colaborar com a próxima gestão da Apal para ver se recuperamos o património que vai ajudar a Associação de andebol de Luanda", revelou António Custódio.

A falta de colaboração, por parte do elenco de Francisco Lourenço, que antecedeu o actual, notou-se logo na inobservância da passagem de pastas no final do seu mandato.

"Não recebemos pastas, entramos para a Apal no escuro. Andamos a descobrir tudo aquilo que tem a Associação. Com ajuda dos clubes começamos a saber quem eram os campeões das épocas anteriores e tudo o resto, por isso, vamos esperar que a antiga direcção da Apal possa colaborar para ver se recebemos estas instalações", acrescentou.

Em quatro anos, o assunto não foi levado a outras instâncias porque segundo o presidente cessante, sempre acreditou que as pessoas implicadas pudessem rectificar o seu posicionamento.

A Associação Provincial de Andebol de Luanda, no mandato de Francisco Lourenço recebeu em 2008 do Governo Provincial de Luanda, as instalações no Estádio dos Coqueiros juntamente com as congéneres de atletismo, ciclismo e hóquei em patins, mas enquanto as demais beneficiam das instalações, as reservadas ao andebol não servem a modalidade.

A reunião magna realizada na sala de conferências do Comité Paralímpico Angolano aprovou os relatórios por unanimidade dos seis clubes presentes, e no mesmo tom decidiu marcar o período de 12 de Setembro a 12 de Novembro para o processo de renovação de mandatos. Eliseu Major foi indicado para gerir a comissão eleitoral.

Entre as principais realizações do seu mandato, Mano realçou o novo molde de disputa dos campeonatos provinciais, louvou o surgimento de duas equipas de seniores (Marinha e Exército) e lamentou a extinção do andebol na equipa do Kabuscorp do Palanca.