Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Atletas alemães querem a modalidade sem doping

12 de Agosto, 2015

Casos de doping estão a criar dores de cabeça ao organismo que rege o atletismo mundial e atletas alemães querem medidas imediatas para acabar com o mal que os aflige

Fotografia: AFP

A menos de duas semanas para o começo do Mundial de Pequim, a turbulência não cessa, para a principal entidade do atletismo mundial. Após à publicação de uma reportagem, que denuncia numerosos possíveis casos de doping, um grupo de atletas de elite, da Alemanha, como o campeão olímpico de lançamento de disco Robert Harting, divulgou um vídeo no YouTube, no último domingo, no qual acusa a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) de “destruir” a modalidade com o recente escândalo de doping.“Não podemos continuar a confiar em vocês” e “estão a destruir a nossa modalidade” são algumas das acusações difundidas no vídeo, em que vários atletas alemães se dirigiram ao público em inglês.
Quem também se juntou a Harting foi o corredor dos 800m, Robin Schembera, que protestou com um letreiro no qual se lê: “Quero competir com atletas limpos, não com monstros”.

O protesto é referente às recentes revelações da televisão alemã “ARD” e do jornal inglês “Sunday Times”. Os dois meios de comunicação publicaram a matéria no dia 2 de Agosto, o que fez com que o Comité Olímpico Internacional (COI) exigisse esclarecimentos sobre o escândalo.A reportagem teve acesso a 12 mil exames de sangue, correspondentes a cinco mil atletas. Cerca de 800 deles eram suspeitos ou altamente suspeitos, 146 conquistaram medalhas em Mundiais ou Jogos Olímpicos, entre 2001 e 2012.

SYMMONDS

Nick Symmonds, vice -campeão do mundo de 800 metros em Moscovo2013, foi excluído da selecção dos Estados Unidos que vai competir nos Mundiais de Pequim, por negar-se a assinar um contrato, que obriga todos os atletas da comitiva a equiparem Nike. “Recebi uma comunicação da federação norte-americana de atletismo, que me deixa fora da equipa para Pequim”, escreveu Symmonds no Twitter, mostrou-se orgulhoso por ter-se mantido fiel aos seus princípios e optado por lutar “outra batalha pelos direitos dos atletas”.O atleta dos 800 metros, que recusou assinar o contrato que obriga cada seleccionado a usar a marca oficial da selecção norte-americana, anunciou ainda que vai revelar provas que a federação está a roubar “milhões de dólares” aos atletas, a enriquecer à custa do duro trabalho da equipa norte-americana.