Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Atletas russos continuam suspensos

02 de Agosto, 2017

Reanálises das amostras colhidas no Campeonato Mundial de Pequim, em 2015, também são obrigatórias, no caso dos atletas que participaram.

Fotografia: AFP

O atletismo da Rússia registou progressos em matéria de luta contra o doping, mas insuficientes, pelo que continua fora das competições internacionais, segundo decisão unânime do conselho directivo da IAAF.

“Foram feitos progressos, mas continuam insuficientes. Portanto, o conselho directivo recomendou por unanimidade, a continuação da suspensão da Rússia (...) até que todas as condições sejam cumpridas”, refere a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), reunida em Londres.

O relatório da comissão liderada por Rune Anderson, que tem a missão de acompanhar a implementação das medidas que a Rússia é obrigada a tomar para reverter a suspensão da sua federação, decretada em Novembro de 2015, e que custou a sua ausência dos Jogos Olímpicos Rio2016, assim como de europeus e mundiais, como os próximos a decorrer de 04 a 17 de Agosto, em Londres.

A 27 de Junho a agência russa anti-doping (Rusada) foi autorizada a fazer novamente controlos, todavia, é preciso esperar até Novembro para que a funcionalidade esteja de acordo com os critérios da AMA. O relatório McLaren revelou o escândalo de práticas de doping, e ocultação de resultados positivos no país, infracções patrocinadas e promovidas pelo governo, levam as instâncias internacionais a promover um trabalho mais profundo a nível das mentalidades.

“Há um longo caminho a percorrer, e tentaremos trabalhar com a Rússia para uma mudança desta cultura”, acrescentou. A IAAF permite a atletas russos competir internacionalmente, desde que possam demonstrar um percurso e métodos de treinos antagónicos aos fraudulentos em causa, e desde que o seu nome não surja no relatório McLaren. Reanálises das amostras colhidas no Campeonato Mundial de Pequim, em 2015, também são obrigatórias, no caso dos atletas que participaram.

MUNDIAIS DE ATLETISMO
Campeão de fora por lesão

O quadro de atletas que ficam de fora dos Mundiais de Atletismo continua a aumentar,  desta foi a vez do queniano David Rudisha, actual campeão mundial e olímpico de 800 metros, anunciar na segunda-feira que não vai aos Campeonatos do Mundo de Londres, por causa de uma lesão nos músculos de uma coxa. "É triste e desapontante anunciar a minha não presença nos Campeonatos do Mundo de Londres2017, por causa de uma distensão do quadríceps", disse o atleta no Twitter.

Rudisha, de 28 anos, é o grande dominador dos 800 metros, nos últimos anos, ostenta o título de bicampeão olímpico (2012 e 2016) e mundial (2011 e 2015), além de recordista mundial, desde 2012. A época não estava a correr nada bem, teve apenas a 19.ª melhor marca à distância, do ano, foi somente o quarto melhor na Seleção queniana, a que só acedia pelo convite reservado a campeões em título.