Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Audi estuda entrada na categoria

07 de Dezembro, 2014

A maior categoria automóvel mundial pode contar nos próximos tempos com o regresso de outras fabricantes alemãs

Fotografia: AFP

A Volkswagem tem conduzido um estudo sobre uma potencial entrada na F-1. A avaliação tem sido conduzida por Stefano Domenicali, ex-chefe de equipa da Ferrari na F1, contratado pela Audi em 2014. A informação é da emissora britânica BBC.

A emissora assegurou que a Wolkswagem, dona de 99 por cento das acções da Audi, responde a uma afirmação da Mercedes, após a época 2014 da F-1, segundo a qual gostava de ver marcas rivais como BMW e Audi na categoria mundial.

A entrada de marcas como a Audi na Fórmula 1 depende de mudanças administrativas na própria categoria. Ferdinand Piech, um dos nomes fortes do Conselho Administrativo da Volkswagem, tem uma relação bastante complicada com Bernie Ecclestone, director-executivo da Formula One Management (FOM).

Desta forma, é possível que a fabricante alemã só tome qualquer decisão a respeito de uma entrada da Audi na Fórmula 1, quando Bernie Ecclestone deixar o seu actual posto.

A Volkswagen chegou a ter representantes no grupo que debateu as regras para os motores da Fórmula 1 em 2014, mas decidiu não entrar na categoria. Desde então, publicamente, não mudou a sua decisão, embora membros do Conselho Administrativo acreditem que a entrada na F1 possa ser uma "eficiente ferramenta promocional", segundo a BBC.

DUPLA DA MCLAREN
A McLaren ainda não definiu qual vai ser a sua dupla de pilotos para 2015. A iminente chegada de Fernando Alonso, da Ferrari, que precisa apenas de ser oficializada, gerou uma dúvida sobre quem vai ser o seu parceiro na próxima época.A actual dupla da equipa, o inglês James Button e o dinamarquês Kevin Magnussen, disputam uma vaga no cockpit para 2015.

A equipa realizou uma reunião para tentar finalmente definir esta pendência, mas não alcançou este objectivo. Diante das inúmeras questões levantadas pelos fãs, a equipa manifestou-se na sua página no Twitter e prometeu: "Rapazes, ouvimos os seus comentários e vamos trazer notícias sobre a dupla de pilotos assim que tivermos uma definição".O regresso de Fernando Alonso à McLaren, por onde passou em 2007, gerou uma dúvida na direcção da equipa: apostar na experiência de Jenson Button, 34 anos, ou na promessa Magnussen, de 22.

A partir do próximo ano, a equipa britânica promete lutar entre as melhores da Fórmula 1. A parceria com a Honda é vista como a maior vitória.


JENSON BUTTON
"Quero continuar a correr na Fórmula 1"


Jenson Button não quer entregar os pontos na McLaren. Campeão mundial em 2009, o britânico afirmou, em entrevista à Sky, que deseja disputar o campeonato de Fórmula 1. A equipa de Woking ainda não definiu quem vai formar a dupla com o espanhol Fernando Alonso.

"Se não continuar (na Fórmula 1), tenho outros desafios, mas quero correr aqui na Fórmula 1", disse Button, oitavo classificado do Mundial de Pilotos, com 126 pontos.

A direcção da McLaren reuniu-se em Woking para definir o piloto da actual dupla que deve manter-se na equipa e fazer parceria com o bicampeão, Fernando Alonso. No entanto, não houve acordo e o suspense permanece.

"Acredito que vai ser bom para todos que seja tomada uma decisão em breve. Diverti-me muito este ano, tive uma grande carreira na Fórmula 1 e, agora, depende da direcção da McLaren. Respeito a sua decisão, qualquer que seja", declarou Button.

Fernando Alonso ainda não teve a sua contratação confirmada, porque a McLaren quer anunciar a sua equipa completa para a próxima época. Button figura na F-1 desde 2000, ano em que se estreou pela BMW Sauber, mas só levantou o troféu do Mundial nove anos depois, pela Brawn GP.

O britânico pilota a McLaren desde 2010. Kevin Magnussen, por sua vez, estreou-se na categoria em 2014 e terminou em 12º lugar no mundial de pilotos.