Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Bach augura melhor prestao para Angola

13 de Maio, 2017

Presidente do COI deixou o pas com boas impresses do que constatou durante a visita

Fotografia: JOS COLA|EDIES NOVEMBRO

Os atletas olímpicos angolanos podem ter melhor prestação nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, como resultado do fortalecimento das relações entre os comités olímpicos internacional (COI) e nacional (COA). A possibilidade foi defendida por Thomas Bach, presidente do órgão mundial do olimpismo, durante uma conferência de imprensa depois de visitar a sede do COA e de se reunir com a Comissão Executiva.

\"Poderemos fortalecer a relação que temos com o COA,  esperamos com este fortalecimento nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, os angolanos possam melhorar o desempenho, e quiçá, obter medalhas\", disse.Bach foi ontem recebido em audiência, pelo vice-presidente da República, Manuel Vicente, durante a qual apresentou o reconhecimento da instituição ao contributo do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, no desenvolvimento do desporto no país.

O antigo campeão olímpico e mundial de esgrima manifestou a sua satisfação, por ter visto muitas mulheres na Comissão Executiva do COA,  realçou o facto de antigos atletas olímpicos integrar a comissão.\"Estou muito satisfeito com o trabalho desenvolvido pelo COA, onde encontrei atletas olímpicos inseridos na Comissão Executiva, e muitas mulheres também envolvidas no olimpismo\", comentou.
Bach ofereceu lembranças a João Ntyamba, atleta que participou seis vezes em jogos olímpicos, e membro honorário do COA. Também receberam lembranças, as ex-atletas olímpicas, Nádia Cruz e Elisa Torres.

Ainda ontem, o presidente do COI presenciou na Galeria dos Desportos, a assinatura de um memorando que engaja o ministério angolano da Juventude e Desporto na execução dos projectos desenvolvidos pelo Comité Olímpico Angolano.Thomas Bach deixou ontem Angola, e fez-se acompanhar por sete membros do COI, entre eles, Pere Miró, director geral do COI e Pamela Vipond, gerente de projectos da Solidariedade Olímpica.Angola conta com nove presenças em  Jogos Olímpicos, nomeadamente, em 1984, em  Moscovo, 1988, Seoul, 1992, Barcelona, 1996, Atlanta, 2000, Sydney, 2004, Atenas, 2008, Beijing, 2012, Londres, e 2016, Rio de Janeiro.

JOGOS OLÍMPICOS
Presidente do COI desafia candidatura de africanos


O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, desafiou ontem em Luanda, os países africanos a candidatarem-se para a organização de Jogos Olímpicos.Thomas Bach falava à imprensa, no final de uma audiência concedida pelo Vice-presidente da República, Manuel Domingos Vicente, declarou que os países africanos têm potencial, atletas e infra-estruturas.

Em visita de trabalho a Angola até ontem,  Thomas Bach reafirmou o interesse pessoal de ver África a organizar uma edição dos Jogos Olímpicos, incentivou  os países africanos a apresentar candidaturas para organizar jogos, que sejam aceitáveis.Manifestou-se satisfeito com o nível das relações existentes entre o comité olímpico nacional (COA) e governo angolano, que a seu ver contribuem para o desenvolvimento do desporto no país, nas suas diversas dimensões.

\"Viemos avaliar a ajuda a prestar aos atletas angolanos, que forem qualificados para os Jogos Olímpicos de Tóquio (Japão), de modo a conquistar o maior número possível de medalhas\", declarou o alemão que substituiu no cargo o belga Jacques Rogge, em 2013.Valorizou o incremento do desporto escolar, por promover valores do olimpismo, como o sentido de equipa, a amizade e honra, assim como contribui para a ascendência académica.Sugere que o plano nacional de educação e programas curriculares, estejam em consonância com a promoção do desporto na escola, a bem do movimento olímpico.