Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Bach revela "raiva interior"

19 de Dezembro, 2016

O relatório apresentou evidências da adulteração de amostras de 12 medalhistas dos Jogos de Inverno de Sochi, em 2014.

Fotografia: AFP

Os inúmeros casos de doping russo que acabaram revelados nos últimos meses no relatório McLaren ligaram o sinal de alerta para que uma melhor fiscalização ocorra e os episódios sejam evitados em competições olímpicas no futuro. O efeito causado por tal polémica atingiu sobretudo Thomas Bach, presidente do COI, o Comité Olímpico Internacional, e que é responsável directo em dar uma resolução ao caso.

Em entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, Bach revelou as sensações que teve de enfrentar ao descobrir sobre os casos de doping, dividindo-se entre uma reacção emocional e a administração racional da situação.

“Da minha parte, sinto horror. E parcialmente, eu também sinto raiva interior. Mas nem raiva nem medo são bons conselheiros. Então, em uma posição de responsabilidade, você tem que se perguntar imediatamente: como você lida com isso? O  que pode ser feito, então, esperando que isso nunca aconteça de novo?”, disse o presidente.

Na mais recente actualização, o  relatório McLaren revelou que mais de 1.000 atletas de 30 desportos tinham sido envolvidos no esquema de acobertar amostras de testes que acusavam doping. O relatório apresentou evidências da adulteração de amostras de 12 medalhistas dos Jogos de Inverno de Sochi, em 2014.