Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Balanço de Tunis satisfaz seleccionador

29 de Março, 2015

Fotografia: Jornal dos Desportos

Falando após a chegada do combinado nacional ao país, na manhã de sábado, justificou que a média de idade dos seleccionados é de 20 anos e que o principal objectivo naquele evento, apesar de medalhar ter sido importante, e vai iniciar a melhoria das marcas, tendo em conta os dois ciclos paralímpicos seguintes, depois do Rio de Janeiro2016.

José Manuel valorizou as conquistas, mas reiterou que objectivo maior será garantir lugares cimeiros nas edições de 2020 e 2024 em provas de velocidade, fundo, meio-fundo e concursos, lançamentos e saltos.
 
“Estamos a iniciar agora este processo que deve levar-nos aos jogos de 2020 e 2024 em condições de mantermos os actuais níveis em jogos paralímpicos, onde subimos ao pódio em Atenas2004, Pequim2008 e Londres2012”, frisou o antigo velocista do Petro Atlético de Luanda.

O também coordenador do atletismo adaptado em Angola disse que o compromisso seguinte é o “meeting” internacional de São Paulo (Brasil), em Abril próximo, onde pretende incluir na selecção parte dos atletas que estiveram em Tunis.

 Garantiu que o trabalho para o futuro continuará tendo como base os mais de 30 atletas jovens catalogados pelo Comité Paralímpico Angolano (CPA) em todo o país, mas alertou para a necessidade de elaboração de um programa nacional de treinos.

Segundo o entrevistado, a aposta maior está a ser feita nas disciplinas de lançamentos pelo que melhores condições de trabalho devem ser criadas nas restantes províncias para além de Luanda.

Conquistaram medalhas em Tunis os atletas José Chamoleia, da província do Huambo (classe T11- deficiente visual) com duas medalhas de ouro nos 200 e 400 metros e outra de prata nos 100, enquanto Esperança Gicaso, de Luanda (T11), obteve uma de ouro nos 100 metros, prata nos 200 e bronze nos 400.

O atleta da província de Malanje Fernando Simão (T11), conquistou duas medalhas de prata nos 200 e 400 metros, já Alberto Lussasse, deficiente motor-T46, do Bié, conseguiu o bronze nos 800 metros.
 
Representaram ainda o combinado nacional Befilia Buiyo (Bié-T11) e Alcides Festo (Huambo), António Rock (Namibe) e Laureta Cassinda (Huambo), todos da classe T54, sequelas de poliomielite, lesões medulares e amputações.


No Uíge
Provincial decorre
sem sobressaltos

O campeonato provincial de juniores de Xadrez no Uíge começou na sexta-feira,  com a participação de 18 xadrezistas da escola Macovi, núcleo da rua Ultramar e atletas individuais, numa promoção da associação provincial da modalidade.

A prova, com duração de quatro dias, decorre  na sala de massificação da associação provincial de Xadrez do Uíge.

O secretário-geral da associação provincial de Xadrez do Uíge, Milton Cardoso, disse que a prova vai apurar o campeão provincial na categoria de juniores, que pode representar a província no campeonato nacional da modalidade.

Deu a conhecer que todas as condições técnicas estão criadas para o sucesso da prova que vai envolver atletas com idades compreendidas entre os 16 e os 20 anos. 

“No ano de 2013, no nacional de juniores, ficámos na nona posição e este ano queremos ocupar os lugares cimeiros”, realçou.

O dirigente aproveitou a ocasião para pedir às entidades de direito, pessoas de boa-fé e amantes da “modalidade-ciência” para darem o seu apoio para se continuar com a massificação do xadrez nas escolas da província, tendo em conta a importância que reveste na vida dos estudantes. O xadrezista Octávio Cristóvão é o campeão em título a nível da província.