Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Barros defende formao de jovens

18 de Outubro, 2018

anuel Barros, advogou hoje, na capital do pas, a necessidade de maior aposta na formao de jovens praticantes

Fotografia: DR

O capitão do Clube de Golfe de Luanda (CGL), Manuel Barros, advogou hoje, na capital do país, a necessidade de maior aposta na formação de jovens praticantes, para que a modalidade possa atingir níveis altos em Angola. Ao avaliar a primeira edição do \"Open Fula\" ,com a participação de meia centena de jogadores, disputado (domingo) no campo do Morro dos Veados, o golfista referiu à Angop, que só com um trabalho árduo nos escalões etários se poderá seguir os exemplos positivos dos antigos praticantes, que muito fizeram pelo país.
“Neste torneio homenageamos uma grande figura do Golfe e do desporto angolano. Por isso, devemos dedicar toda nossa atenção na formação de crianças e jovens, para que aprendam jogar golfe e atingirem níveis altos em competições internacionais”, disse. O veterano aconselhou ainda os pais e encarregados de educação no sentido de juntarem-se ao esforço do CGL, que está aberto e em condições de formar às crianças e jovens na prática da modalidade desportiva e salutar, para que o país tenha no futuro exímios jogadores da craveira de Fula e outros.         
Em homenagem ao antigo e falecido golfista angolano Domingos Manuel Fula Cassule, a prova, organizada pelo Clube da capital do país (CGL), foi jogada nas modalidades de Strokeplay Net e Stableford Net, para intervenientes da 5ª e 6ª categorias, em 18 buracos.Quanto ao homenageado, Domingos Manuel Fula Cassule, falecido há seis anos, foi um exímio jogador e responsável do CGL.
Natural de kibaxe, na província do Bengo, o malogrado, que contava com 70 anos de idade, iniciou à prática da modalidade na década de 1960, onde venceu os torneios de Luanda e do Alto Catumbela, em Benguela.Incentivado pelo seu patrão de origem europeia, o então director da Casa Inglesa, o angolano Domingos Manuel Fula Cassule foi um dos primeiros negros a praticar o golfe no país.                  
Depois da independência, em 1975, em parceria com Manuel Barros Pedro, continuou a competir e a incentivar outras pessoas para a prática da modalidade.     
A primeira edição do “Open Fula” produziu os seguintes resultados:
Bola mais perto da bandeira no green, foi para Jaime da Fonseca (5 metros), e drive mais longo no fairway, ao António Avelino João (390 mts).O Stableford net, a primazia coube a Evanilson Kiteculo (56 pontos), seguido por Mauro Silvestre (52), Mariano de Almeida (52), Domingos Monteiro (48), José Paulino (44), Heliberto Brickman (37), Patrício Jeremias (36) e Galcio Marques (26).
No Strokeplay, ao Gabriel Guilherme (70 pontos), Francisco Domingos (70), Jaime da Fonseca (71), Paulo Pedro (73), António João (75), Hernando Ospina (78), Crespo Smith (79), João Cortêz (82) e Pascoal Ramos (82).