Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Bellucci defronta rival russo

24 de Abril, 2016

A chave do ATP de Munique foi realizada ontem e Bellucci encara um antigo rival o qual já se defrontaram em seis ocasiões

Fotografia: APF

A chave do ATP 250 de Munique foi definida ontem e terá a presença do brasileiro Thomaz Bellucci. Em busca de uma vitória que não vem há sete partidas, o número 1 do Brasil vai abrir a sua campanha no saibro alemão contra o russo Mikhail Youzhny, que actualmente é apenas o 74º do mundo.

Os dois possuem um bom histórico de confrontos, foram seis até então e o sétimo duelo será o tira-teima entre eles, uma vez que cada um já venceu três vezes. Youzhny levou a melhor nos três primeiros (Tóquio-2009, Copa Davis-2011 e Roma-2012), mas Bellucci deu o troco e triunfou nos três seguintes (Gstaad-2012, Valência-2014 e Istambul-2015).

Quem passar da estreia terá pela frente o vencedor da partida a envolver o letão Ernests Gulbis e o croata Ivan Dodig. Nos quartos-de final, o mais cotado a pintar pelo caminho é o austríaco Dominic Thiem, cabeça de chave 3. Nas meias-finais, Bellucci pode encarar o Belga David Goffin, principal favorito, ou até rever o jovem Alexander Zverev, o seu algoz em Barcelona.

No lado de baixo da chave aparece o francês Gael Monfils, segundo pré-classificado, que assim como os quatro principais cabeças de chave sai adiantado e entra só na segunda ronda. Ele abre a campanha contra o vencedor do duelo entre o italiano Marco Cecchinato e um oponente vindo do qualificatório.

Monfils tem tudo para fazer um grande jogo nos "quartos" com o italiano Fabio Fognini, que estreia contra o convidado da casa Maximilian Marterer e depois pode ter o cazaque Mikhail Kukushkin ou o russo Evgeny Donskoy. Na "meias", podem pintar o alemão Philipp Kohlschreiber ou o argentino Juan Martin del Potro.

Esta será a primeira vez que Delpo disputa um torneio sobre o saibro desde o Masters 1000 de Roma em 2013. Embora o argentino tenha conquistado apenas quatro dos seus 18 títulos sobre a terra batida, é neste piso que ele tem o melhor aproveitamento, vencendo 72,1% das partidas, contra 70,7% tanto no piso sintético quanto na relva.