Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Benfica Petrleos do Lubango com prestao positiva

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 26 de Novembro, 2018

Para revalidar o ttulo, a academia do Benfica Petrleos do Lubango precisou de arrebatar cinco medalhas de ouro

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

O técnico de taekwondó da academia do Benfica Petróleos do Lubango, Simão Sumbelelo, considerou positiva a participação da equipa na 18ª edição do campeonato nacional da arte, realizada há dias na província do Moxico e que culminou com a conquista do troféu masculino.
 Simão Sumbelelo justificou que o balanço é positivo, porque os atletas, ao longo da preparação, tiveram sessões bi-diárias esforçadas uma vez a outra, visto que se encontravam em época de provas, mas mesmo assim, lograram êxitos no certame. “Foi muita carga psicológica. Mas mesmo assim, conseguiram lidar com o momento”, disse.
 Argumentou que o balanço foi positivo, porque qualquer clube que participa num campeonato nacional, tem como objectivo ser campeão. E o Benfica não fugiu a regra.
 “Eu, como técnico, começo por agradecer a direcção do clube pelo esforço empreendido, ao criar condições para que os atletas se fizessem presente na província do Moxico. O que não é fácil devido a distância. E só foi possível de comboio. Depois agradecer os próprios atletas, que foram também bravos, porque eram 6 categorias de peso que a federação propôs, atendendo a distância. E nas 6 categorias, o Benfica conseguiu 5 medalhas de ouro e uma de prata em masculino. Fruto disso, não tínhamos mais nada a dizer, se não fazer um balanço positivo quanto a nossa participação neste evento”, enalteceu.
 Para revalidar o título, a academia do Benfica Petróleos do Lubango precisou de arrebatar cinco medalhas de ouro, através de Leonardo Mboliaço (-54kg), Manuel Uyango (-58kg), Eli Quinanga (-63kg), Mário Kossengue (-68kg) e António Kossengue (-74kg), enquanto a medalha de prata foi conquistada por Simão Sumbelelo (-80kg). Deste modo, a classificação ficou assim ordenada: Benfica Petróleos do Lubango (campeão nacional), Bravos do Maquis do Moxico (vice-campeã) e 1º de Agosto (3º lugar)
Simão Sumbelelo informou que, no sector feminino, o Benfica Petróleos do Lubango, ocupou a segunda posição com uma medalha de ouro e três de prata, ao serem vencidas pelo 1º de Agosto (campeã nacional). A terceira posição coube ao Bravos do Maquis.  “Conseguimos o segundo lugar, tal como aconteceu no campeonato passado. Foi praticamente o reeditar do campeonato, que se realizou em Benguela em 2016”, lembrou.
 Admitiu que o nível competitivo evidenciado neste campeonato, pelas outras academias, foi positivo, tirando as duas equipas da província do Moxico, sobretudo o 11 de Novembro e a Velha Guarda local, que não estiveram em altura das encomendas. As demais mostraram, durante os combates, uma qualidade aceitável.Citou que a equipa do 11 Bravos do Maquis mostrou uma boa qualidade, o  que lhe permitiu conquistar o segundo lugar da tabela de classificação geral.
 “As outras academias mostraram uma qualidade já aceitável. Desde sempre, sabe-se que o Benfica Petróleos do Lubango é rival de todos os clubes. E não foge a regra. O 1º de Agosto tem como principal alvo a abater o Benfica do Petróleos do Lubango. Por sua vez, o Benfica Petróleos do Lubango tem se preparado na medida do possível. Conseguimos perceber logo que, no emparceiramento, ninguém quer calhar com os atletas do Benfica Petróleos do Lubango”, aclarou.
 O técnico da academia do Benfica Petróleos do Lubango, Simão Sumbelelo, citou que o 1º de Agosto apareceu no campeonato com uma caravana de 30 atletas, que galvanizou o público presente no recinto de competições.
 “O Benfica Petróleos do Lubango levou apenas 10 atletas para prova, convicto de que tinha de trabalhar, para surtir resultados em prol daquilo que pretendíamos alcançar. Assim aconteceu. Relativamente a essas equipas rivais, o 1º de Agosto foi derrotado, nas meias-finais, pelo Benfica Petróleos do Lubango. Todos eles foram eliminados pelos nossos atletas. O Benfica Petróleos do Lubango, nada mais esperava senão ser campeão e mostrar a todos, mormente a própria direcção do clube, federação e associação provincial, que devem sempre contar connosco para outros torneios nacionais, taça da embaixada, zonais e competições internacionais”, garantiu.


OBJECTIVO
Formação encarnada
pretende continuar no pódio

O foco principal da academia de Taekwondó do Benfica Petróleos do Lubango, para 2019, passa em estar no pódio em todas competições nacionais e internacionais, onde estiver imbuído.
 A garantia é do técnico da academia daquela agremiação desportiva, Simão Sumbelelo e acrescentou que “estar sempre no pódio constitui o lema do clube”.Simão Sumbelelo garantiu que os projectos daquela academia para o próximo ano, 2019, passam também em intensificar a preparação dos atletas, para permitir alcançar resultados satisfatórios em provas nacionais e internacionais.
Disse, que durante o ano prestes a terminar, não houve uma entrega total por parte da Federação Angolana de Taekwondó, no sentido da selecção nacional participar em todas provas organizadas a nível da África e Mundial.
“Não houve essa entrega total. Apenas o director técnico da federação é que participou, recentemente e sozinho, num campeonato da zona V da África Austral, que se realiza sempre. E ainda assim conseguiu uma medalha de prata. Então, o próximo ano, a perspectiva é trabalharmos no sentido de darmos maior número de atletas, para a federação participar em qualquer prova internacional”, observou. Segundo o técnico, internamente o Benfica Petróleos do Lubango não foge ao foco, que consiste em participar tanto nos campeonatos provinciais, que servem sempre de trampolim, para o atleta aparecer melhor no campeonato nacional, Taça da Embaixada da Correia do Sul ou Taça de Angola.  
 “O Benfica Petróleos do Lubango, tem o foco de estar sempre no pódio, que constitui o lema do clube e se houver qualquer alteração no devido tempo, daremos a conhecer”, assegurou Simão Sumbelelo.


Simão Sumbelelo
Técnico defende melhor
eficiência na comunicação
com os clubes 

 A melhoria na organização, comunicação interna eficiente entre federação e os clubes a nível nacional, foi defendida pelo técnico da academia de Taekwondó do Benfica Petróleos do Lubango, na província da Huíla.
 Simão Sumbelelo quer que, a nível nacional, seja melhorado em primeira instância a organização e existir uma comunicação eficaz com os clubes fazedores de arte.
“Quando digo organização, quero referir-me relativamente a federação, que a tempo e hora deve comunicar aos clubes, providenciar tudo aquilo que for possível, para um melhor campeonato. Contudo, são muitas coisas que devem ser melhorados pela federação, de modos que o taekwondó seja aquele que sempre nós protagonizamos. Queremos ter um taekwondó melhor do que temos agora”, apelou.
De acordo com Simão Sumbelelo, querem primar muito por uma organização eficaz, porque a 18ª edição do campeonato nacional disputado no Moxico, não foi das melhores de todos os tempos. “Essa não foi das melhores, porque houve falta de comunicação”, lamentou. 
 No tocante a arbitragem, considerou ter sido a melhor de todos os campeonatos já realizados.
“A arbitragem esteve boa. Por isso, gostaria que em todos os campeonatos a serem realizados, a arbitragem deve se comportar conforme o observado neste. Os atletas não podem ter dois adversários. O adversário que está com ele a competir e o arbitro. E é o que temos verificado em quase todos os torneios da Taça Embaixada da Coreia do Sul”, apontou.
 Referiu que o pior problema, que se passa nos torneios da Taça Embaixada da Correia do Sul, são os árbitros e esclareceu que os árbitros entram também já a competir.
 Adiantou que isso, as vezes, cria stress aos próprios atletas. “E devo aqui parabenizar esses bravos atletas, que se entregam de corpo e alma. Representam o clube, a província e até o país. Estão sempre dispostos, para fazerem aquilo que sabem no taekwondó”, salientou o técnico. 
Simão Sumbelelo apontou a melhoria na organização a nível nacional e provincial. Os atletas também clamam muito por falta de material, situação que não foge a regra ao Benfica Petróleos do Lubango.
“Não podemos exigir fundos e mundos, porque todos soubemos das condições do clube. Mas os atletas clamam pelo material, até porque não é só o Benfica que clama. A nível do país todos clubes clamam por material desportivo”, revelou.
 Com o material disponível, assegurou o técnico, os atletas treinam a vontade e estariam em pé de igualdade com todos outros da África Austral e do mundo no geral. “Então, isso só é possível com a realização de mais campeonatos ou competições internacionais, como por exemplo os torneios do Zonal V, da África Austral, jogos Pan-africano, campeonatos africano.  Tudo isso inspira o atleta, para num curto espaço de tempo chegar ao campeonato mundial e aos Jogos Olímpicos”, destacou.
 
Talentos lapidados
dão orgulho ao clube

 A academia do Benfica Petróleos do Lubango é uma das mais fortes escolas, apostada na massificação na arte de taekwondó na província da Huíla, o que dá orgulho a agremiação.
 O propósito a atingir, com esse processo de formação de talentos, baseia-se na preparação de atletas, capazes de fazer frente, sem qualquer receio, aos adversários em campeonatos nacionais e internacionais. Actualmente, a academia movimenta, aproximadamente, 180 atletas nos escalões de juvenis (35), juniores (maioria 80) e seniores (50). Já o sector feminino conta com cerca de 28 a 30 praticantes.
 Simão Sumbelelo esclareceu que, um dos objectivos da aposta da direcção do Benfica, passa no processo de massificação de todas modalidades que movimentam aquela agremiação desportiva, fundada a 27 de Fevereiro de 1932.“Se repararem, os actuais campeões nacionais são fruto desta formação.
Então, o objectivo a atingir, é prepará-los para, num futuro próximo, poderem fazer frente em todas competições que surgirem a nível da federação, associação ou da federação africana e mundial. Esse é o objectivo a atingir. Para dizer que, independentemente de o Benfica ser o centro a nível provincial na massificação, queremos também referir aqui, que a própria direcção do clube tem como alvo, desde que foi eleita, a massificação de todas as modalidades. Então, é só engrossar o taekwondó neste projecto e fizemos a festa com a direcção”, explicou.  Contou que os atletas clamam por falta de material, nomeadamente protectores, capacetes, estarguentes, tapetes, equipamento, dentre outros.
“Estamos a falar de um kit completo de material, que os atletas do Benfica Petróleos do Lubango carecem, mas tenho a plena certeza que, a nível nacional, todos os atletas do taekwondó clamam por esse material”, informou.
  As categorias -54kg, -58kg, -63kg, -68kg, -74kg, -80kg, +80kg são algumas de peso movimentados na academia do Benfica Petróleos do Lubango.Simão Sumbelelo confirmou ter encontrado já a categoria de peso de +80kg, mas falta lapidá-lo bem, de modos a fazer frente a qualquer clube. “E assim num futuro próximo; pretendemos aparecer em qualquer campeonato que for organizado.
Gaudêncio Hamelay, no Lubango