Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Benguela agastada com a FAT

Helder Jeremias - 22 de Junho, 2017

Escolas de Ténis de Benguela absorvem crianças de vários extractos sociais

Fotografia: Jornal dos Desportos | Edições Novembro

A falta de transparência no processo com vista a eleição dos corpos sociais da Federação Angolana de Ténis preocupa a direcção do Clube de Ténis de Benguela, depois de terminado o prazo de mandato da Comissão Administrativa, instituída sob a orientação do Ministério da Juventude e Desportos. Duda Fortunato, presidente da instituição das acácias rubras, exteriorizou a inquietação dos agentes desportivos locais quanto ao futuro da modalidade.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Duda Fortunato justificou que o rejuvenescimento do ténis em Benguela não encontra respaldo positivo das instâncias superiores por inoperância da Federação Angolana de Ténis. Os empresários benguelenses elaboraram um plano de fomento e massificação em parceria com os clubes locais, mas queixam-se da ausência da entidade responsável pela gestão da modalidade no país, segundo o presidente do Clube de Ténis de Benguela.

Referenciado entre os agentes desportivos mais destacados na praça nacional, Duda Fortunato advoga a necessidade do Ministério da Juventude de Desportos fazer uso das suas competências e prerrogativas para que, em breve trecho, o processo eleitoral seja uma realidade. O dirigente justifica que o prolongamento da actual situação está a impedir, de forma acentuada, o progresso da modalidade das raquetes.

\"A situação está a preocupar a massa associativa benguelense. O mandato da Comissão Administrativa chegou ao fim, sem que esta tenha elaborado projecto que se reflicta à melhoria do desporto. Temos na província de Benguela pessoas dispostas a assumir a presidência da Federação Angolana de Ténis, mas vemo-nos de braços atados. O Ministério da Juventude e Desportos ainda não se pronunciou sobre o assunto\", disse Duda Fortunato.

O jovem dinamizador defende que a Comissão Administrativa deveria estar incumbida de criar as condições para que as principais provas de âmbito nacional fossem realizadas, com destaque para os campeonatos nacionais. O período apropriado para a realização dos eventos está cada vez mais próximo, porém, \"tudo indica que estão fora de cogitação\".

A província de Benguela é um dos principais viveiros do ténis no país, não obstante as inúmeras dificuldades inerentes à conjuntura económica, de acordo com Duda Fortunato. Os projectos gizados pelo Clube de Ténis de Benguela, Clube Bananeiras do Cavaco, entre outras acções privadas, representam a \"pedra de toque\" para que a localidade se torne na verdadeira potência.

Nos últimos quatro anos, os destinos do ténis nacional foram dirigidos pela direcção encabeçada por Matias Castro da Silva. O mérito daquele elenco ressalta para a regularização das quotas da instituição junto da Federação Internacional (ITF) e da Confederação Africana (CAT), que permitiram a reintegração de Angola nos eventos internacionais. Outra virtude foi a realização regular dos campeonatos nacionais.

Recorde-se que o atraso verificado na realização do processo eleitoral para o ciclo olímpico 2016-2020 levou o Ministério da Juventude e Desportos a exarar um despacho de destituição do referido elenco e dar lugar à criação da Comissão Administrativa para um período de 90 dias.