Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Benguela aposta no fomento

OLGÁRIO CORREIA, EM BENGUELA - 04 de Julho, 2014

Adolescentes e crianças de Benguela vão merecer apoio das entidades desportivas para continuar no auge do ciclismo nacional

Fotografia: Santos Pedro

A Associação Provincial de Ciclismo de Benguela (APCB) vai apostar na massificação e no fomento desportivo de forma a manter o potencial nas camadas de jovens. Esta informação foi prestada por Fernando Furtado, presidente da instituição, para quem a província constitui uma referência positiva.

Em entrevista ao Jornal dos Desportos, a propósito da participação de Benguela no 24.º campeonato nacional de ciclismo, que a cidade de Luanda acolheu de 26 a 29 de Junho último, o dirigente associativo lembrou que a ausência de verbas atrapalha grande parte dos projectos gizados pela APCB, resultando daí a fuga dos melhores ciclistas para Luanda.

“É uma realidade que temos de aceitar, porquanto não podemos fazer nada para os demover das decisões, já que estamos limitados em termos financeiros. Para colmatar a brecha, achámos por bem reajustar a nossa estratégia de actuação que passa pela aposta séria nas camadas jovens, uma vez que nesse segmento reside o nosso potencial", disse.

Para justificar a posição, Fernando Furtado disse que "os resultados conseguidos em Luanda são prova disso mesmo".

No campeonato nacional, Benguela esteve representada pela formação do Hotel Luso, que por intermédio de Márcio José e António Vidal, em cadetes, dominaram na prova de contra-relógio individual num percurso de 14 quilómetros. Ao passo que na prova de estrada (63 km), a honra coube a Márcio José que conquistou o segundo lugar, na categoria de juniores. O outro facto de realce na abordagem de Fernando Furtado foi o segundo lugar conseguido por Lucas Camilo, na prova rainha de 170 quilómetros.

“Apesar das dificuldades que nos deparamos, os nossos atletas mostraram que o viveiro do ciclismo angolano é aqui, em Benguela. Os resultados falam por si. Dominaram no escalão de juvenis e de juniores.

E como se não bastasse, destacaram-se nos seniores. Isto justifica que estamos a trabalhar e que a nossa aposta devia ser melhor se conseguíssemos os apoios necessários”, rematou.

No 24.º campeonato nacional de ciclismo, a formação benguelense sagrou-se campeã em cadetes, vice-campeã em juniores e quarta classificada por equipas no escalão sénior, tendo sido batido por formações de Luanda e Cuanza Norte (Porcelana FC). O Sport Luanda e Benfica, onde militam os dois melhores ciclistas do país, Igor Silva e Walter Silva “Fecha”, ambos benguelenses, sagrou-se campeão nacional na prova-rainha.


CICLISMO
Contador busca camisola amarela perdida


A supremacia de Chris Froome, evidenciada com o triunfo há um ano na Volta a França, parece seriamente ameaçada por Alberto Contador, que procura, a partir de amanhã, recuperar a glória perdida no Tour. Os dados podem ter sido lançados antes mesmo da "Grand Boucle" sair para a estrada, no sábado, em Leeds, no Reino Unido.

Reunidas as guardas de honra, salta à vista a ausência de dois pilares fundamentais na estratégia dos dois principais favoritos e também da grande revelação de 2013, o colombiano Nairo Quintana.

Se Chris Froome exigiu a ausência de Bradley Wiggins, o campeão de 2012 passou a época a dizer que queria estar no Tour, mas aquela edição, marcada por uma guerra de palavras entre os chefes de fila da Sky, deixou feridas insuperáveis na relação dos dois britânicos e o espanhol perdeu este sábado aquele que foi o responsável pelo seu quarto lugar no ano passado.

Roman Kreuziger, a braços com alegadas irregularidades no seu passaporte biológico, foi preterido pela Saxo-Tinkoff, que agora tem de improvisar alguém para fazer o papel de rebocador que o checo, quinto classificado em 2013, assumiu na passada edição.

Com Sérgio Paulinho mais uma vez ao seu lado, o vencedor do Tour em 2007 e 2009 (o título de 2010 foi-lhe retirado na secretaria, devido a um positivo por clembuterol) pode ter na 101ª edição a sua oportunidade de ouro para regressar ao primeiro lugar da lista dos melhores ciclistas da actualidade.

Desde o pesadelo vivido pós-Tour'2010, que incluiu um ano de suspensão e o apagar dos seus resultados de 2011, "El Pistolero", que ganhou a Vuelta'2012, nunca conseguiu voltar ao nível a que habituou o público na principal prova velocipédica internacional. Mas esta época, Contador tem sido superior a Froome: venceu o Tirreno-Adriático e a Volta ao País Basco, foi segundo no Critério do Dauphiné, principal barómetro de forças para o Tour, assim como na Volta ao Algarve e na Catalunha, e é líder do ranking da União Ciclista Internacional (UCI), enquanto o britânico "só" foi primeiro em Omã e na Volta à Romandia, terminando o Dauphiné num modesto 12º lugar, depois de ter caído na sexta etapa.

Dificilmente alguém se intromete no duelo entre os líderes da Tinkoff-Saxo e da Sky, mas, a haver um "outsider", é quase obrigatoriamente Vincenzo Nibali (Astana), o ciclista mais consistente nas grandes Voltas nos últimos anos, que preferiu não defender a vitória no Giro para se concentrar no Tour.

O italiano surge como o primeiro dos outros favoritos, numa lista que inclui também os espanhóis Alejandro Valverde (Movistar), oitavo em 2013, ou Joaquim Rodriguez (Katusha), terceiro classificado no ano passado em Paris, que ainda está convalescente de uma queda no Giro.

O holandês Bauke Mollema (Belkin), que impressionou na 100ª edição, mas acabou em sexto, a promessa norte-americana Andrew Talansky (Garmin-Sharp), vencedor do Critério do Dauphiné, e, por que não, o português Rui Costa (Lampre-Merida) não devem ser esquecidos.

O ciclista da Póvoa de Varzim, de arco-íris vestido, é líder pela primeira vez na sua carreira e tem os olhos do mundo virados para si. No entanto, sonhar com um lugar no pódio é pedir demasiado ao campeão do Mundo, que, apesar de se ter proclamado tricampeão da Volta à Suíça, nunca foi além do 18º posto, em 2012.