Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Benguelenses auguram o pódio

Gaudêncio Hamelay, no Lubango - 10 de Janeiro, 2015

Emoções dos campeonatos nacionais de juvenis continuam a agitar diferentes pavilhões da cidade de Lubango

Fotografia: Kindala Manuel

As equipas da província de Benguela traçaram como meta a conquista do título nos campeonatos nacionais de andebol, que decorrem na cidade de Lubango, até ao dia 16 do corrente, no pavilhão da Nossa Senhora do Monte.

O coordenador da Casa do Pessoal do Porto do Lobito, Lucas Condomínio, garantiu que a ambição é chegar ao pódio. Para o efeito, promete passar todas as fases e chegar à final. A confiança resulta da presença de equipas de Luanda e de Benguela na lista de candidatas ao troféu.

“Vamos lutar e acidentalmente pode acontecer uma final entre as equipas de Benguela, principalmente, ou equipas de Luanda”, disse.

Depois de chegar à final, no Namibe, o Nacional de Benguela pretende erguer o troféu na competição do Lubango. O técnico da equipa, Antero Lumdungo, disse que já esqueceu a derrota diante do 1º de Agosto e do sétimo lugar na edição do ano passado.

“Queremos levar a taça. Sonhar não é proibido”, disse.

Antero Lumdungo ressaltou que a caminhada para o sucesso vai exigir sacrifício por ser a última época do grupo no escalão de juvenis.
A vice-capitã do Nacional de Benguela, Isabel Pacavira, assegurou que “é complicado” ganhar o campeonato nacional, porquanto as 18 equipas participantes apresentam alto nível competitivo. Para ela, o maior adversário da competição é o clima e altitude.

“Estamos preparadas e com capacidade para ganhar a prova, porque é a nossa última época nesta categoria. Por isso, vamos ser campeãs para dignificar o clube”, disse. Isabel Pacavira ressaltou que “o clima é o maior adversário, porque no Lubango faz muito frio”.

A meia-distância afirmou que “basta jogar um pouco” para se sentir cansada.

A província de Benguela participa nos campeonatos nacionais de juvenis com o Núcleo do Interclube, Casa do Pessoal do Porto do Lobito, Núcleo do 1º de Agosto, Electro do Lobito e o Nacional de Benguela.

NACIONAIS ENTRAM
NA PENÚLTIMA JORNADA

Petro de Luanda e Escolinha do Namibe, ambas da série A, abrem hoje, às 8h30, no pavilhão anexo número dois, a quarta jornada do campeonato nacional de andebol em juvenis femininos, que decorre na cidade do Lubango. Para o mesmo grupo, o Onze Bravos do Maquis recebe o ASA e 1º de Agosto defronta o Desportivo da Huíla.

A série B reserva as partidas entre o Núcleo do 1º de Agosto de Benguela e Promaz; Sporting do Lubango defronta Águias do Calumbiro. Sassamba do Saurimo descansa por força do calendário.

Para a série C, Ferroviário de Luanda joga com Electro do Lobito, Escolinha do Huambo defronta a Casa do Pessoal do Porto do Lobito. Folga por força de calendário o Nacional de Benguela.

PROVA MASCULINA

Para a penúltima jornada da primeira fase, na série A, o Kabuscorp do Palanca enfrenta o 1º de Agosto no principal jogo do dia. O equilíbrio é a nota dominante da partida. Noutro jogo da série, o Desportivo da Huíla joga com o Atlético do Namibe. O Petro do Huambo folga por força de calendário.

Na série B, VISA defronta Lumege, Onze Bravos joga com Interclube da Huíla. Salvador do Congo folga por força de calendário. A série C não tem jogos marcados. 


ESCALÕES DE FORMAÇÃO

Técnicos defendem investimentos


Os treinadores dos principais pólos de desenvolvimento do andebol no país defendem maior investimento na massificação para permitir a formação de atletas com qualidade do desporto de alto rendimento.

O técnico do Nacional de Benguela, Antero Lumdungo, justificou que a qualidade dos atletas de alto rendimento resulta dos investimentos feitos na massificação. Angola pode elevar a sua prestação nas competições internacionais desde que os pressupostos de formação sejam satisfeitos.

“Se a federação tiver políticas de apoio, principalmente, de material desportivo gastável, como bolas, para os clubes que fazem massificação, era o caminho ideal”, disse.

Lumdungo argumentou que a inspecção do trabalho nos clubes pode ajudar a desenvolver o andebol no país. “A Federação Angolana de Andebol deve controlar o material que oferece aos clubes através de inspecções e punir aqueles que não cumprem o contrato”, disse.

O coordenador técnico da Casa do Pessoal do Porto do Lobito, Lucas Condomínio, prometeu levar à discussão, nas próximas Assembleias Gerais da Federação Angolana de Andebol, o programa de massificação e o trabalho nos escalões de formação.

Condomínio defende o funcionamento de diferentes zonas do país, que neste momento estão inactivas, para elevar a qualidade do andebol nacional.

O treinador da Escolinha do Huambo, Edson Jacson Jamba, defende mais apoio financeiro aos escalões de formação. O especialista sustenta que há formações com dificuldades de participar numa prova nacional por não disporem de recursos financeiros. Por isso, “os números de equipas apresentados nos diferentes campeonatos nacionais não reflectem a quantidade de atletas e a qualidade do andebol exibido em todo o país”.

Edson Jamba assegura que o andebol cresce em todo o país e a direcção da Federação deve prestar apoios àquelas províncias com mais problemas de organização. 


EM FEMININO

Equipa do Huambo
almeja a outra fase 


O treinador da Escolinha de Andebol do Huambo, Edson Jacson Jamba, alimenta esperanças de obter boa classificação no campeonato nacional feminino, que decorre na cidade do Lubango. A pouca motivação no seio do grupo tem sido o maior empecilho.

Inserido num grupo de seis equipas, Edson Jacson Jamba assegura que as qualidades técnicas dos adversários são fortes, mas espera elevar os níveis motivacionais das atletas para equilibrar os próximos jogos com tranquilidade.

“O nível técnico da minha equipa é bom e posso equilibrar os próximos jogos, apesar de estar inserida na série mais difícil da competição, onde pontificam as três equipas de Benguela, por sinal as mais fortes da prova, uma do Huambo (campeã da zona central) e duas de Luanda”, disse.

O trabalho psicológico está a surtir efeito no grupo desde o início da prova. Nos jogos realizados, o treinador disse que já sentiram “resultado positivo”, pois as atletas apresentaram-se “com outra motivação”, o que faz antever “maior competitividade”.

A capitã da formação da Escolinha do Huambo, Tatiana Gomes, está crente na passagem para outra fase da competição.

“Faltam muitos jogos para melhorarmos as nossas performances e estou crente que vamos dar o nosso melhor nos próximos jogos”, confessou.