Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Bolt e Moh Farah deram cartas

31 de Agosto, 2015

Jamaicano Usain Bolt já conquistou onze medalhas em Campeonatos do Mundo

Fotografia: AFP

Usain Bolt e Moh Farah aumentaram sábado em Pequim, nos Mundiais de atletismo, os seus já vastíssimos currículos, com o jamaicano a integrar a estafeta vencedora dos 4x100 metros e o britânico a dominar nos 5.000 metros. A penúltima jornada dos Mundiais testemunhou ainda a melhoria do recorde do mundo do decatlo, com o norte-americano Ashton Eaton a acrescentar meia dúzia de pontos ao seu próprio máximo.

Para Bolt, são já 11 medalhas de ouro em Mundiais, um percurso quase perfeito nas quatro últimas edições, só manchado pela desclassificação dos 100 metros em 2011, por falsa partida. A estafeta da Jamaica, com Nesta Caster, Asafa Powell, Nickel Ashmeade e Bolt, ganhou com 37,36 segundos, à frente da China e do Canadá, depois de os norte-americanos, segundos a cortar a meta, com 37,77, terem sido desqualificados devido a uma deficiente passagem de testemunho, entre Tyson Gay e Michael Rogers.

Justin Gatlin, vice-campeão dos 100 e 200, metros, atrás de Bolt, fizera o primeiro percurso e Trayvon Bromell assegurou o segundo, deixando a selecção encaminhada para a prata. Contando os Jogos Olímpicos de 2012, Bolt chega à quarta "tripla", um feito sem igual que o coloca já como forte candidato a melhor atleta de todos os tempos, até porque também é recordista mundial nas três especialidades.

Na galeria dos mais notáveis do atletismo está também Moh Farah, que desde 2011, em Mundiais e Jogos Olímpicos, consegue vitórias em 10.000 metros e 5.000, nos mesmos campeonatos, com a excepção da légua de Daegu2001, em que ficou com a prata. De qualquer forma, nunca ninguém antes tinha conseguido vencer tanto, nas distâncias de meio-fundo em pista, como o britânico de origem somali, de 32 anos.

Sábado, controlou a corrida, lenta, do princípio ao fim, para terminar em 13.50,38 minutos, à frente do queniano Caleb Ndiku e do etíope Hagos Gebrhiwet. Os adversários já não sabem como o derrotar, se em corridas rápidas ou provas tácticas. A terceira grande nota do dia é a vitória com recorde mundial do norte-americano Ashton Eaton, no decatlo. O já campeão do mundo e campeão olímpico em Londres chegou aos 9.045 pontos, mais seis do que fizera há três anos em Eugene, no Oregon.


A terminar uma magnífica sequência de 10 provas, lançou o dardo a 63,63 metros e correu depois os 1.500 metros em 4.17,52 minutos, já claramente consciente de que estava em cima do recorde do Mundo. As restantes marcas de Eaton foram 10,23 segundos nos 100 metros, 7,88 metros no comprimento, 14,52 metros no peso, 2,01 metros na altura, 45,00 segundos nos 400 metros (recorde do mundo no decatlo), 13,69 segundos nos 110 metros barreiras, 43,34 metros no disco e 5,20 metros na vara.

O canadiano Damian Warner conquistou a prata e o alemão Rico Freimuth ficou com o bronze. Alguma surpresa na final dos 800 metros femininos, com a anterior campeã e favorita Eunice Sum, do Quénia, a ser somente terceira, atrás da nova 'rainha', a bielorussa Marina Arzamasova (1.58,03), e da canadiana Melissa Bishop.

Com naturalidade, a estafeta feminina da Jamaica dos 4x100 metros é de novo campeã, com 41,07 segundos, relegando Estados Unidos e Trinidad e Tobago para os outros lugares do pódio. Veronica Campbell-Brown, Shelly-Ann Fraser-Pryce, Elaine Thompson e Natasha Morrison são as campeãs. Ainda no sector feminino, a croata Blanka Vlasic voltou às medalhas com uma prata 'amarga' no salto em altura. Saltou tanto, 2,01, como a campeã, a russa Maria Kuchina, só que, no percurso, fez um derrube a 1,92 metros.

Também com 2,01 metros ficou, em terceiro, outra russa, Ana Chicherova, com um percurso ligeiramente menos bom, já que registou dois derrubes.
A Polónia ficou com o ouro e o bronze no lançamento do disco, com Piotr Malachowski (67,40) e Robert Urbanek, respectivamente. A prata foi para o belga Philip Milanov.

5000 METROS
Almaz Ayana
supera Dibaba


A etíope Genzebe Dibaba sonhava em se tornar a primeira mulher da história a conquistar o título mundial dos 1500 m e os 5000 m num mesmo evento, mas teve que se render ao talento da compatriota Almaz Ayana e ficou com A medalha de bronze na distância mais longa, ontem, em Pequim.
Ayana, de 23 anos, fez uma prova incrível, deixando a campeã dos 1500 m para trás a duas voltas do fim, para vencer em 14 minutos 26 segundos e 83 centésimos, novo recorde do campeonato.

O pódio foi 100% etíope, já que Senbere Teferi levou a prata (14:44.07) e Dibaba o bronze (14:44.14). Ayana assumiu as rédeas da corrida a partir dos 2.500 m, acelerando o ritmo para ser acompanhada apenas por Dibaba e a queniana Mercy Cherono. Aos 3.200, Cherono ficou para trás, dando lugar ao duelo esperado entre as favoritas, mas Ayana deu mais uma arrancada fatal faltando 700 m para o fim. Dibaba foi incapaz de colar na rival, e deixou até outra compatriota, Teferi, ficar com a prata.