Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Bolt fecha carreira

21 de Agosto, 2016

O maior velocista de todos os tempos é o único que esteve em todas as finais vencidas pela Jamaica

Fotografia: AFP

 O astro encerra a sua carreira perfeita nos Jogos Olímpicos aos 29 anos, com títulos em todas as provas que disputou desde Pequim-2008, dominando os 100 m, os 200 m e a corrida por equipas.

Com Bolt dominando completamente a última parte da prova, os jamaicanos fecharam com o tempo de 37s27. A grande surpresa foi o Japão, que foi prata, com 37s60. Já os Estados Unidos fizeram 37s62 e seriam bronze, mas acabaram desclassificados por um erro na passagem do bastão. A medalha, portanto, foi para o Canadá, que fez 37s64.

Já o Brasil não fez uma boa prova e terminou em último, com 38s41. Com as desclassificações de Estados Unidos e Trinidad e Tobago, a equipa brasileira ficou com a sexta posição.

A superioridade de Bolt nas provas de velocidade será lembrada por anos. Sua passagem pelas pistas, no entanto, durou o tempo de ir ao banheiro e escovar os dentes. Contando todas as provas que disputou, incluindo eliminatórias, semifinais e finais, o jamaicano esteve em torno de 5min30s na pista.

Na estafeta, a passagem de Bolt durou menos de dez segundos. Ele só disputou a final. Sua tarefa, mais uma vez, foi completar a última perna da equipa jamaicana para garantir a distância para os rivais. Ao contrário dos dois últimos Jogos Olímpicos, Pequim-2008 e Londres-2012, a equipa caribenha não bateu o recorde mundial, que é de 36s84.

O importante para os jamaicanos é que eles mantiveram o domínio em uma prova que foi controlada pelos norte-americanos na maior parte da história olímpica. Para se ter uma ideia, a estafeta dos EUA ganhou 15 ouros olímpicos. Mas desde o surgimento de Bolt, só perde em finais dos Jogos.

O maior velocista de todos os tempos é o único que esteve em todas as finais vencidas pela Jamaica. Houve alterações no restante da equipa de acordo com o momento de cada um dos corredores.

Asafa Powell, por exemplo, voltou a equipa após lesão em Londres-2012. Bicampeão, Nesta Carter deixou a estafeta para a entrada de Nickel Ashmeade, 26 anos. A vantagem é que, além de Bolt, a Jamaica sempre tem pelo menos outro finalista nos 100 m neste período, o que fortalece sua equipa. Mas, para torná-la imbatível, só na era de Bolt.