Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Brasileiro Antnio Pezo critica rbitro russo

26 de Novembro, 2016

Antnio Pezo, e o Fabrcio Werdum

Fotografia: AFP

A estreia de Pezão no evento russo ‘Titov Boxing Promotion’, na sexta-feira (18), foi marcada por polémicas. Não satisfeito com o resultado da luta, a qual perdeu para o invicto Ivan Shtyrkov por pontos, o brasileiro demonstrou não ter entendido certas atitudes do juiz durante o combate, afirmou ter a certeza de que venceu a disputa e  apressou-se em garantir o interesse na desforra.

O brasileiro fez uma luta marcada por altos e baixos. Após dois rounds em que levou desvantagem e quase sofreu um k.o. pelo russo, Pezão recuperou-se e teve chances de conquistar a vitória no último e decisivo assalto, mas em meio a algumas interrupções controversas por parte do juiz – que interrompeu os  seus ataques para que o atleta dono da casa recolocasse o protector bucal -, não conseguiu liquidar a factura. Por isso, o ex-UFC pediu publicamente para enfrentar Shtyrkov novamente, embora pareça não acreditar que o rival aceite.

“Eu não entendi aquilo, o juiz parou a luta em duas ocasiões diferentes, e eu não fazia ideia do porque ele estar a fazer aquilo. Uma vez, foi quando ele estava com os quatro apoios no chão, e eu em cima dele, e a segunda vez, quando eu encaixei um bom soco nele. Ele ainda encerrou a luta antes do terceiro round acabar. […] Eu não acredito que ele  aceite a desforra, até porque ele teve de ir ao hospital depois da luta, eu não acho que ele queira a desforra.

Agente do brasileiro, Alex Davis  mostrou-se orgulhoso com a actuação de Pezão, e disse estar feliz por ter encontrado um bom mercado para o seu atleta na Rússia.  Essa foi a quarta derrota seguida, do lutador de 37 anos, que aguarda a próxima chamada para actuar no país.

DESCONTENTE
Werdum convoca fãs


A suspensão de 18 meses imposta a Lyoto Machida pela USADA (agência americana de controle antidopagem), em função do uso do suplemento 7-Keto-DHEA, facilmente encontrado nas farmácias dos EUA, foi considerado um exagero por parte da comunidade do MMA.

E, o carateca ganhou uma força extra, na luta contra a punição: ninguém menos que Fabrício Werdum comprou a briga do amigo, e convocou fãs e lutadores para fazerem um abaixo-assinado, contra a pena do compatriota.

Através de uma vídeo publicado na sua conta no Facebook, o ex-campeão de pesos -pesados criticou o longo período de suspensão imposto ao baiano radicado no Pará, por uso de um suplemento encontrado em farmácias. E, por isso, o atleta fez um apelo para reverter a punição de Lyoto.

“E, estou aqui,  para pedir a ajuda de todos os fãs e lutadores de MMA, para fazer um abaixo-assinado para ajudar o Lyoto que apanhou uma suspensão de 18 meses, porque ele tomou um suplemento que se compra na farmácia. E, a USADA suspendeu ele por 18 meses. Então, esse abaixo-assinado é para tentar reduzir a pena dele.

Não achei justo. Na verdade, achei um absurdo: 18 meses por um suplemento que você compra na farmácia, ou no supermercado. Então, não achei bem, como muitos fãs e muitos lutadores. Vamos ajudar galera, o Lyoto é um grande lutador, um samurai. Isso, é muito importante”, declarou Werdum.

TÉNIS
Brasil volta a ter três tenistas no top 100


No último dia 8 de Agosto fez exatos cinco anos da última vez em que o Brasil teve três representantes no top 100 da ATP. Desde então, três meses se passaram e a história já é outra. Na actualização do ranking desta semana, o país verde e amarelo tem Thomaz Bellucci (61º), Thiago Monteiro (83º) e Rogério Dutra Silva (99º) entre os melhores tenistas do mundo.

O feito veio graças às quatro posições somadas por Rogerinho, em consequência do vice-campeonato no Challenger de Monteviéu, no último domingo.Apesar de já terem encerrado a temporada 2016, os dois melhores tenistas do país também subiram - uma posição cada.

O canhoto Bellucci ganhou terreno em decorrência da dura queda de 13 colocações do argentino Guido Pella (72º); enquanto o cearense Monteiro se beneficiou das oito posições perdidas pelo espanhol Iñigo Cervantes (86º). Na última vez em que o cenário brasileiro de simples figurou tão bem, a lista possuía Bellucci, João “Feijão” Souza e Ricardo Mello.