Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Budapeste está fora da corrida

24 de Fevereiro, 2017

A capital da Hungria concorria à organização dos Jogos de 2020 junto com as cidades de Paris e de Los Angeles

Fotografia: AFP

A cidade de Budapeste anunciou quarta-feira ter retirado a sua candidatura à organização dos Jogos Olímpicos de 2024, deixando a corrida entregue às cidades de Paris e de Los Angeles (Estados Unidos).

\"Budapeste vai pedir formalmente ao concelho municipal para retirar a candidatura húngara, em acordo com o governo\", disse o presidente da câmara Istvan Tarlos, citado pela agência MTI. A candidatura húngara sofreu um forte revés quando um grupo de jovens activistas recolheu mais de 250 mil assinaturas para a realização de um referendo sobre a iniciativa.

Em 17 de Fevereiro, Istvan Tarlos já tinha admitido retirar a candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, caso viesse a existir um referendo em relação a essa matéria. A decisão de retirar a candidatura foi tomada quarta-feira, depois de uma reunião entre Istvan Tarlos, presidente da câmara e membro do partido conservador no poder, e o primeiro-ministro, Viktor Orfab.

Antes, o presidente do comité de candidatura de Budapeste à organização dos Jogos Olímpicos de 2024, Balázs Fürjes, já tinha admitido na quarta-feira que a possibilidade de o país se candidatar a acolher o evento era “um sonho que se estava a dissipar”.

Em 17 de Fevereiro, Istvan Tarlos admitiu retirar a candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, caso venha a existir um referendo em relação a essa matéria, o que tem vindo a ser proposto por um grupo de activistas.

Os opositores à organização de Budapeste, que concorre para receber os Jogos juntamente com Los Angeles e Paris, já anunciaram terem mais de o dobro dos subscritores necessários para a realização de um referendo.

Entretanto, o  Comité Olímpico Internacional (COI) espera uma “informação oficial” sobre a retirada da candidatura de Budapeste à organização dos Jogos Olímpicos de 2024, anunciou ontem Mark Adams, porta-voz do organismo.

“Obviamente, esperamos ser informados oficialmente pelo comité nacional é a única entidade que pode retirar a candidatura”, afirmou Adams, lembrando que muitas vezes “se especula muito sobre determinados assuntos”.

A cidade de Budapeste anunciou na quarta-feira ter retirado a sua candidatura à organização dos Jogos Olímpicos de 2024, deixando a \'corrida\' entregue às cidades de Paris e de Los Angeles (Estados Unidos).

“Budapeste vai pedir formalmente ao concelho municipal para retirar a candidatura húngara, em acordo com o governo”, disse o presidente da câmara Istvan Tarlos, citado pela agência MTI.

A candidatura húngara sofreu um forte revés quando um grupo de jovens ativistas recolheu mais de 250 mil assinaturas para a realização de um referendo sobre a iniciativa.

Segundo o calendário do COI, em 23 de abril peritos do organismo deverão visitar a cidade de Los Angeles, seguindo.se Budapeste, em 10 de maio, e Paris, em 14 do mesmo mês,

TÓQUIO
A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, considerou quarta-feira que os Jogos Olímpicos que a capital japonesa acolhe em 2020 serão um teste ao apelo feito pelo Comité Olímpico Internacional (COI) para uma contenção dos custos com a organização do evento.

“Tóquio será um teste para o COI”, afirmou a governante, citada pela agência noticiosa AFP, sublinhando ser inviável que as cidades candidatas aos Jogos Olímpicos “despendam somas consideráveis” para acolher a competição.


DOPING
WADA quer reerguer agência russa


Os escândalos de doping que envolveram a Rússia durante os últimos anos e baniu todos os competidores do atletismo do país dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 resultou na queda da Agência Antidoping Russa (Rusada). Agora, o presidente da Agência Mundial que cuida do anticdoping (WADA), Sir Craig Reedie, espera que ambas as instituições possam trabalhar juntas para reviver a confiança no país.

“A WADA está centrada em apoiar a Rusada nos seus esforços para voltar a cooperar com o código do mundo anticdoping, mas é importante que antes haja uma aceitação sobre ter sido encontrado o relatório McLaren na Rússia”, afirmou Sir Craig em entrevista à agência de notícias russa, Tass.

O relatório McLaren foi um grupo de documentos vazados que demonstravam e revelavam um esquema de doping encoberto pelo estado russo. Uma investigação sobre a Agência Anti-doping e a Federação de Atletismo.