Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Button elogia novo modelo

01 de Março, 2015

Button preferiu ressaltar os dois pontos que considera os mais notáveis da montadora japonesa com particular destaque para a determinação

Fotografia: AFP

Depois de andar decentemente com o carro da McLaren pela primeira vez, Jenson Button disse que o modelo deste ano é tão diferente do usado em 2014 que é “como se fosse de outra categoria” e que o conceito adoptado deve levar a equipa de volta ao topo da F1, mas evitou comparar o motor Honda com o Mercedes: “É injusto”

Sexta-feira última foi o primeiro dia em que Jenson Button pôde tirar impressões mais aprofundadas do novo carro da McLaren durante toda a pré-temporada. E agora o piloto inglês tem a certeza de que o caminho diferente seguido pela equipa no projecto do MP4-30 é o mais correcto e permite à equipa, em algum momento ainda incerto no futuro, voltar a vencer.  No regresso à parceria com a Honda, a equipa inglesa tem feito questão de ressaltar que adoptou novos conceitos na construção do carro. A traseira é extremamente compacta, o que exigiu também o desenvolvimento de uma unidade de força que ocupe um espaço menor. O principal benefício  é o ganho aerodinâmico propiciado.

 Pela primeira vez livre dos problemas de confiabilidade, Button conheceu melhor o bólide e disse, ao ser questionado pelo GP em Barcelona, que até parece tratar-se de outra categoria.

 “É uma filosofia completamente diferente em termos aerodinâmicos e de fluxo de ar. Sempre vai ser diferente. Sinto como se o carro fosse de outra categoria”, avaliou.  “Mas esta direcção vai definitivamente funcionar para esta equipe no futuro. É disso que precisamos para lutar na frente outra vez. A direcção em que estávamos no passado não nos ia levar a lutar por um campeonato. E isso é que anima. Mas, como eu disse, todo o pacote ainda tem de receber muito trabalho para que possamos chegar lá”, continuou o britânico.

 E quanto tempo isso vai levar? “Se eu soubesse… Ninguém sabe. Não sei onde estamos em comparação com os adversários. Eu não sei.”
Se Button compara com tranquilidade o chassi deste ano ao do ano passado, não faz o mesmo com os motores Honda e Mercedes. “Acho que é injusto”, afirmou o britânico, esquivando-se da pergunta.

 Ele ressaltou ao longo do mês de Fevereiro que a Honda parece estar numa situação dramática devido aos pontos de referência. Se  estreasse o seu V6 turbo com as demais, mostrava estar em nível semelhante. Hoje, no entanto, as adversárias já possuem uma temporada inteira de experiência com estas complexas unidades de força.

 O piloto preferiu ressaltar os dois pontos que considera mais notáveis da montadora japonesa: “A determinação. Está a ser enorme. Estamos todos a trabalhar com o pé em baixo para ter um motor bom para a primeira corrida e sei que vão fazer isso o ano todo, nunca vão desistir. É uma coisa de que gosto nesta parceria. A outra coisa é a dirigibilidade. Era uma coisa que me preocupava, mas demos passos enormes. Talvez seja a área do motor que me deixa mais satisfeito.”


Decisão
Manor vai mesmo
participar no Mundial


A Federação Internacional do Automóvel (FIA) informou que aprovou a inscrição da equipa Manor, antiga Marussia, no Mundial de Fórmula Um de 2015.

A FIA publicou ontem uma lista actualizada de equipas inscritas no Mundial desta temporada e nela aparece a Manor Grand Prix Racing Ltd., antes conhecida como Marussia.

A inclusão da equipa britânica acontece depois de várias semanas de negociações entre a FIA e os responsáveis da Manor. O único piloto da equipa que aparece na lista de inscritos é o britânico Will Stevens.

A Manor utiliza em 2015 uma versão renovada do monolugar da época transacta, que cumpre com as 15 novidades regulamentares.

Entretanto, se no primeiro dia Lewis Hamilton enfrentou problemas mecânicos no Mercedes, ontem a equipa campeã do Mundo deixou um sério aviso quanto ao desenvolvimento do W06. Nico Rosberg voou na Catalunha, com 1.22,792, melhor registo conseguido em Montmeló nestas duas semanas de testes.

Mais do que bater a concorrência por larga margem (Valtteri Bottas, da Williams, ficou a mais de um segundo), o alemão da Mercedes tirou 2,5 segundos ao tempo da "pole position" do GP Espanha do ano passado.

Num dia em que a Force India estreou o carro para 2015, com Hulkenberg, finalmente uma boa notícia para a McLaren: Jenson Button fez o quinto tempo mais rápido e, mais importante, completou um total de 101 voltas ao traçado catalão.