Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campeão nacional é encontrado hoje

Hélder Jeremias - 19 de Maio, 2013

O vencedor da quarta jornada do Campeonato Nacional de Fosso Olímpico

Fotografia: Jornal dos Desportos

Denominado Grande Prémio “Cidade de Benguela”, o evento é organizado pelo clube Tuko Tuko, em parceria com a Federação Angolana de Tiro e o Clube de Tiro Caça e Pescas de Benguela. Participam atiradores do 1º de Agosto, Interclube, Força Aérea Nacional, Clube de Caçadores da Cela, Socolil, entre outras equipas da praça nacional.
Apesar de não poder estar presente, por questões de saúde, o secretário-geral da federação Angolana de Tiro, Adelino Chaves, está convicto no bom andamento dos trabalhos em terras das Acácias Rubras. Adelino Chaves salientou que a entrega dos atiradores nas provas demonstra o regresso da modalidade aos tempos áureos
 “Os nossos representantes constataram que a prova de Benguela está a ser organizada com todas as cautelas quer do ponto de vista técnico, quer administrativo. Por isso, estamos descansados quanto à sua normal desenvoltura”, disse Adelino Chaves.


TRANSFERÊNCIA
Zonal VI
muda de palco

O torneio de fosso olímpico da Zona VI, inicialmente, marcado para o mês de Dezembro na capital zambiana, Luzaka, foi transferido para a República de Moçambique, em data ainda por definir, de acordo com o secretário-geral da Federação Angolana de Tiro, Adelino Chaves.
Em declarações ao JD, o responsável federativo informou que a transferência deve-se ao facto do Zimbawe ter marcado as eleições gerais para o final do ano em curso, o que torna inviável a disputa do evento.

A decisão saiu de um encontro mantido entre os presidentes das federações dos dois países, à margem da Assembleia promovida pela ISSF (International Sportive Shoot Federation), realizada de 1 a 8 do corrente, em Harare, de acordo com Adelino Chaves.
Adelino Chave, que esteve a representar o país no conclave, acompanhado do vice-presidente da federação, Paulo Silva, apoia a decisão.
“Uma vez que Moçambique está a dar os primeiros passos na massificação da modalidade, o evento pode catalisar o processo que vai ser benéfico para toda a zona”.
HELDER JEREMIAS