Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campees descontentes com a Federao

Rosa Napoleo - 24 de Maio, 2014

Mudana de equipa pode ter custado a convocao de Pacavira Fortunato (na foto) e de Nelson Henriques seleco nacional

Fotografia: Jornal dos Desportos

Os dois campeões nacionais de canoagem, Pacavira Fortunato e Nelson Henriques, manifestaram ontem o seu descontentamento pela forma como estão a ser tratados pela direcção da Federação Angolana dos Desportos Náuticos, nos últimos tempos.

Os atletas que competiram nos Jogos Olímpicos de Londres dizem que os problemas começaram a surgir após a saída dos mesmos do Clube Naval da Ilha de Luanda para o Clube Onda Sporting, ao qual pertencem actualmente.

Fortunato Pacavira disse ao Jornal dos Desportos que após a sua saída do Clube Naval, a Federação negou-lhe alguns benefícios.

"Notamos que desde a nossa saída do Clube Naval começaram as complicações. Primeiro fomos afastados das convocatórias, alegando o facto do nosso clube não estar ainda legalizado junto da Federação, mas existem outras modalidades no Clube Onda  como a natação e a vela que participam normalmente nas competições programadas pela Federação.

Por outro lado, proibiram-nos de usar as embarcações olímpicas, que foram conseguidas com o nosso mérito nas competições internacionais. Achamos que estão a fazer uma injustiça connosco, porque somos campeões e trabalhámos durante muito tempo no Clube Naval, mas como as condições financeiras eram pouco favoráveis,  aceitámos a proposta que nos foi feita pelo Clube Onda Sporting", desabafou.

O canoísta Nelson Henriques disse que questões de ressentimento não podem interferir e prejudicar o trabalho dos atletas que sempre deram o seu melhor para elevar a bandeira nacional além fronteiras.

"Estamos a ser afastados apenas pelo simples facto de aceitarmos o contrato com outro clube. Isso não está certo. Nós temos família e não podemos estar na modalidade sem um salário digno. Temos outras necessidades e o que nos pagavam no Clube Naval era pouco de mais. Além disso, ainda temos vários prémios por receber", acrescentou.

Nelson Henriques referiu que ele e o seu companheiro de equipa precisam de estar nas provas qualificativas para os Jogos Olímpicos da Juventude por serem os atletas com maior probabilidade de alcançar bons resultados no país.

"A Federação sabe que se não formos competir, a canoagem corre riscos de baixar de rendimento. Além do mais, existe o atleta Josemar Andrade (melhor paralímpico de África) do Clube Náutico, que podia representar a canoagem, mas não foi convocado. Todos sabemos que em termos de conquistas e medalhas a canoagem esta a liderar nos desportos náuticos. Nós já solicitámos um encontro com os responsáveis da Federação e foi-nos negado. Foi encaminhado um processo disciplinar contra nós, sem um prévio aviso e tivemos conhecimento disso através de terceiros", disse.


Reacção
Dirigente nega intenção
de prejudicar os atletas 


O vice-presidente da Federação para a vela, Nuno Gomes, disse que a Federação Angolana dos Desportos Náuticos não tem nenhuma intenção de prejudicar os atletas Pacavira Fortunato e Nelson Henriques e que agradece e reconhece o trabalho desenvolvido por eles.

"Não temos nada contra Nelson Henriques, Pacavira Fortunato e muito menos com o atleta paralímpico Josemar Andrade, premiado melhor atleta africano de 2013. Olhamos a todos com a máxima consideração pelo esforço e dedicação. O facto é que no caso do Josemar Andrade, é necessário que houvesse uma antecipada e coerente planificação de todas as actividades e participações em provas internacionais, que deve ser feita no início da época (antes de Outubro). De contrário, dificilmente pode existir cabimentação financeira e um processo selectivo associado que faça justiça ao atleta", referiu.

Nuno Gomes apelou à calma e compreensão de todos, dizendo ser necessário trabalhar de forma coordenada e concertada, juntando dirigentes, clubes, treinadores e atletas num mesmo desígnio desportivo.

"Para atingir os objectivos e chegar onde as nossas ambições nos fazem sonhar, há que trabalhar em conjunto. Não se comprometem objectivos por não enviar representantes a uma prova, mas sim quando não há vontade e capacidade de organização e isso nós FADEN temos."                               RN


Polémica
Vice-presidente esclarece


A direcção da Federação Angolana dos Desportos Náuticos esclareceu ontem ao JD sobre a situação actual dos canoístas Pacavira Fortunato e Nelson Henrique, que se manifestaram por não terem sido chamados à Selecção Nacional.

Nuno Gomes, vice-presidente da Federação para a vela, disse que só podem ser chamados a representar o país os atletas federados (com licença desportiva), independentemente do seu estatuto ou marca pessoal.

"Penso que todos conhecemos os regulamentos. Apenas os clubes federados podem propor a inscrição dos seus atletas na Federação. Estes dois atletas infelizmente não foram inscritos esta época, pelo facto de pertencerem a um novo clube, que não efectuou a inscrição dos mesmos, por não estar reconhecido junto da Federação. Portanto, não podem participar em nenhuma competição oficial", disse.

Sobre o facto dos atletas não poderem usar as embarcações olímpicas, o dirigente disse que as razões prendem-se com o facto de não estarem incluídos no conjunto dos seleccionados.

"Os dois atletas não integram a lista dos seleccionados para os treinos de alta competição programados pela Federação e logicamente não podem ter acesso aos equipamentos que estão destinados a esse fim. Os equipamentos foram adquiridos pela Federação, no âmbito de um esforço conjunto das entidades oficiais, dirigentes, treinadores e selecções, para serem utilizados pela Federação e não por qualquer um dos intervenientes, a título pessoal", referiu.

Quanto ao facto do Clube Onda Sporting competir com atletas da natação, o dirigente afirmou desconhecer o que o clube controla ou não, presumindo a possibilidade destes estarem inscritos na FAN com a devida licença desportiva.

"Se não fosse assim, era no mínimo estranho, mas este não é assunto do âmbito da FADEN", rematou.

Nuno Gomes acrescentou que a direcção da FADEN não está contra o Clube Onda, nem existem motivos para isso. "Não temos nada contra este clube, até porque eu, pessoalmente, nem sabia da sua existência. Nunca recebemos cá na Federação qualquer pedido formal ou informal de inscrição do Clube. Aliás, o surgimento de mais clubes nas modalidades náuticas é satisfatório para nós", disse.
RN