Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campeões recebem prémios

Helder Jeremias - 04 de Fevereiro, 2017

Reconhecimento do trabalho chega aos vencedores antes da nova época

Fotografia: Jornal dos Desportos

A direcção da Federação Angolana dos Desportos Motorizados (FADM) está empenhada nos preparativos em torno da realização da cerimónia de entrega dos prémios referentes à época 2016 aos campeões nacionais das diversas categorias de automobilismo e de motociclismo. A data da gala para a entrega de prémios vai ser anunciada nos próximos dias.

O secretário-geral da instituição, Isaac Rodrigues "Zazá", esclareceu que os troféus e os prémios ainda não foram entregues por obedecer alguns critérios. Houve a necessidade de proceder-se às revisões aos dados estatísticos por um grupo de especialistas constituídos pelo vice-presidente da FADM para o motociclismo, Herivelto Silva, e pelo presidente da Associação provincial da Huila, Ivan Santos. As condições técnicas permitiram a divulgação detalhada das classificações gerais de cada classe.

A passagem de pastas para a nova direcção da FADM eleita e empossada na segunda quinzena de Dezembro de 2016, também esteve na base do ligeiro atraso na entrega de prémios. O curto tempo de trabalho foi dedicado à organização de todas as questões administrativas.

Isaac Rodrigues "Zazá" antevê uma época produtiva para os automobilistas nacionais em função dos níveis técnicos granjeados pelos pilotos nacionais, assim como a estruturação das equipas nas diversas localidades do país. Por esse facto, sublinha a necessidade de maior actuação das Associações provinciais e agentes desportivos na massificação do automobilismo e do motociclismo.

"A nossa direcção está a tratar de todas as questões com a devida serenidade de forma a evitar qualquer falha no que concerne à entrega de prémios.
Ao assumirmos os destinos da Federação era importante fazer uma incursão de tudo quanto ocorreu ao longo das competições e corrigir qualquer eventualidade. Fomos felizes em cumprir com os procedimentos e julgamos ser a altura certa para a divulgação dos resultados definitivos e programar a entrega dos prémios aos três primeiros classificados de cada classe", garantiu Isaac Rodrigues "Zazá".

DIMAS COWBOY
REPRESENTA PILOTOS

Com vista a defender os interesses da classe de motociclistas das distintas categorias, os pilotos nacionais elegeram Dimas Mateus "Cowby" como o digno representante junto da Federação, Associações e demais instituições nacionais e internacionais.

Dimas Mateus foi eleito com três votos a favor, nenhuma abstenção e nenhum contra, num pleito que contou com três pilotos, de acordo com uma nota da Federação Angolana de Desportos Motorizados.

Dimas Mateus "Cowboy" responde como um dos pilotos da praça nacional com mais pergaminhos. Disputou os maiores despiques com Hélder Coelho "Vuty", Daniel Afonso "Dinho Máquina", Huno Figueiredo, entre outros corredores da linha da frente.

A experiência acumulada faz com que os associados acreditem ser uma pessoa responsável para defender os interesses da classe.

"Desejamos que a colaboração entre o novo representante dos pilotos e a do vice-presidente da Federação para o Motociclismo seja a melhor possível, de forma que dessa simbiose se possa encontrar as melhores estratégias para o desenvolvimento do desporto", lê-se no comunicado da FADM.


SUPERMOTO 600
Hélder Coelho “Vuty” revalida título


Hélder Coelho "Vuty" foi o vencedor do Campeonato Angolano de Supermoto (CASM'2016) com o total de 207 pontos. A evidenciar momentos áureos da forma desportiva, Vuty cumpriu uma das suas épocas mais difíceis, muito por conta da falta de uma estrutura de suporte e por estar empenhado em três frentes distintas, mormente, nas categorias EVO 600, AGP 600 e M do Campeonato Angolano de Rali Raid/CAR '2016.

Perante a impossibilidade de cumprir com as metas de se impor nas quatro competições, mercê da intransigência de adversários cujas potencialidades não se podem negligenciar, o campeão nacional viu-se obrigado a concentrar energias na ponta final para não ver o título escapar. Os concorrentes directos Adilson Vieira, Victor Barros e Sandro Carvalho denotaram altos níveis de progressão na etapa derradeira.

Outros pilotos de grande monta respondem pelos nomes de Zeferino Fernandes e Tady Madaleno, que apesar de se  tratar do ano de estreia na categoria, souberam dar luta em todas as provas em que estiveram envolvidos. Foi um indicador que deve ser considerado na próxima época.

Zeferino Fernandes, além de se ter sagrado campeão provincial de motocross de Luanda, também deu cartas no Provincial de Supermoto, competição em que se quedou na quinta posição atrás de Sandro Carvalho. Tady Madaleno foi um dos melhores pilotos de motocross da capital do país.

Na tabela de classificação geral, Vuty liderou a Supermoto 600 com 207 pontos, seguido de Adilson Vieira (204), Victor Barros (137), Sandro Carvalho (126), Zeferino Fernandes (109), Tady Madaleno (92), Marcos Fonseca (86), Miguel Ângelo (84), Rui Afonso (80), Erikson Carvalho (59), Adam Mahrok (55), David Rebelo (35), Jerry Carvalho (32), Alex Almeida (29), Raul Faria (28), Diogo Rebelo (24), Fábio Santos (16), Ananias Gonçalves (15), Hugo Caldeira (10), Miguel Carneiro (8), Ivens Santos (7), Uzil Bastos (7), Francisco Dumbo (5), Rómulo Mendonça (1) e Peti dos santos (0).     


CATEGORIA AGP 600
Morais aposta na revalidação


O piloto do Welwitchia Racing Team, Lourenço Morais, está apostado na revalidação do título do Campeonato Nacional de Velocidades na categoria AGP 600, de motociclismo, depois de superar na época passada o corredor do Team Armando Racing e da Puma Racing Team.

Com Alexandre Almeida, piloto do Armando Racing Team e João de Deus "Leandro" da PD Eventos a fazerem um época condicionada pelas difíceis condições económicas, os três pilotos tiraram proveito da regularidade com que se pautaram pelos circuitos que acolheram quatro dos oito Grandes Prémios previstos.

A época ficou marcada pela não realização dos Grandes Prémios Juventude, Zé Du, Lobito e JMPLA. Motivos alheios à Federação Angolana dos Desportos Motorizados inviabilizaram a efectivação das provas.

As cidades de Luanda, Namibe e Lubango acolheram os eventos desportivos. O circuito do Namibe acolheu no dia 27 de Março, no âmbito das festas da cidade "Festas Mar", o GP Cidade de Namibe; o Autódromo de Luanda foi palco no dia 26 de Junho do Grande Prémio Cuanza Sul; a cidade de Lubango testemunhou no dia 28 de Agosto o Grande Prémio 200 Km da Huila e o Autódromo de Luanda juntou o público no dia 27 de Novembro para assistir ao Grande Prémio 11 de Novembro.

Edson Monteiro, Wilson Mais, Airton Velosa, Hélder Francisco e Hugo Caldeira fizeram uma época para esquecer. Com o arranque da nova época à vista, as equipas dos pilotos estão empenhadas no aprumo de meios técnicos e administrativos para que possam voltar a ter uma participação mais conseguida.         

               
CATEGORIA EVO 600
Fonseca arrebata título


Aos comandos da motorizada Honda, Marcos Fonseca salvou a época'2016 ao sagrar-se vencedor na categoria EVO 600 do Campeonato Nacional de Velocidades com 190 pontos. O piloto do Team Marginal bateu na concorrência Victor Barros, do Team Cuanza Sul, e Hélder Coelho "Vuty". Os dois últimos inquilinos do pódio contentaram-se com 179 e 174 pontos.

Fora do pódio, Daniel Afonso também conhecido por Dinho Máquina terminou a época na quarta posição com 108 pontos. O piloto do Team Huambo Racing arredou para lugares subsequentes Carlos Cruz, do Team Socorridas, com 49 pontos; Erikson de Carvalho (26), Ruben Sebas (10), Dimas Mateus, Norberto Andrade, Milton Oliveira, Wilson mais e William Sirgardo.

Hélder Coelho "Vuty" não foi capaz de manter o título sob sua alçada, em função das várias dificuldades com que se deparou para conciliar a presença em várias categorias em que actuou, com destaque para o Supermoto, Rali e Campeonato de velocidades. O piloto ficou privado de apoios da sua então equipa TDA.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Hélder Coelho deixou transparecer a possibilidade de abandonar as pistas para dedicar o seu saber em prol da formação de novos valores a serem projectados para a alta competição.

Alguns adeptos e colegas de pistas estão a pressioná-lo a permanecer no activo. A imagem do "super-campeão" é uma marca que valoriza as competições e atrai centenas de pessoas