Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campees vem valor incrementado

16 de Abril, 2015

Alcanar os quartos de final vale 250.000 euros e as meias-finais 450.000 euros.

Fotografia: AFP

Os vencedores da próxima edição de Roland Garros, o segundo torneio do Grand Slam de ténis da temporada, vão receber 1,8 milhões de euros, 150.000 euros mais do que na última edição, ganha por Rafael Nadal e Maria Sharapova. Ainda de acordo com dados divulgados na terça-feira e anunciados pela organização, os finalistas vencidos vão receber, por sua vez, 900.000 euros cada, mais 75.000 em relação ao que Novak Djokovic e Simona Halep embolsaram no último ano.

O mais prestigiante torneio de terra batida do mundo vai distribuir 28 milhões de euros, mais três do que em 2014, com um incremento dos valores na ordem dos 12 por cento, e a subida chega aos 20 por cento para os eliminados nas primeiras rondas. De acordo com o director do torneio, Gilbert Ysern, esta subida inscreve-se no plano desenhado para Roland Garros e que tem o intuito de “beneficiar os jogadores eliminados na primeira semana”.

A simples participação no quadro principal permite a cada tenista receber 27.000 euros, 3.000 a mais do que em 2014, e a passagem à segunda eliminatória eleva o bónus para 50.000 euros, à terceira para 85.000, e à quarta para 145.000. Alcançar os quartos de final vale 250.000 euros e as meias-finais 450.000 euros.

SHARAPOVA

Maria Sharapova anunciou  a sua desistência das meias-finais da Fed Cup, entre a Rússia e a Alemanha, devido a uma lesão na perna, contraída durante a segunda ronda do torneio de Miami, há três semanas. A russa de 27 anos, actual número dois mundial, planeava participar na eliminatória que se disputa em Sochi, na sua terra-natal, que foi palco dos Jogos Olímpicos de Inverno em 2014. Sharapova, que voltou aos treinos apenas há dois dias, acredita que ainda vai recuperar à tempo de participar no WTA de Estugarda, que arranca no dia 20 de Abril.

Britânico procura recorde da hora
 Bradley Wiggins, ciclista britânico da Sky, vai tentar bater o recorde da hora a 7 de Junho, em Londres, anunciou ontem a União Internacional de Ciclismo (UCI). Wiggins, que tem sete medalhas (quatro delas de ouro) e foi o primeiro britânico a vencer a Volta a França, disse que caso consiga o recorde, vai ser uma das suas maiores conquistas. “O recorde da hora é um santo graal para os ciclistas. Tem sido disputada com unhas e dentes pelos maiores nomes do nosso desporto há mais de 100 anos”, referiu. O recorde mundial (52,491 Km) está na posse do australiano Rohan Dennis e foi alcançado a 8 de Fevereiro. O presidente do UCI, Brian Cookson, mostrou-se contente com a decisão do britânico, relembrou a dificuldade do desafio. Wiggins, de 34 anos, correu a sua última grande prova de estrada no domingo, terminou em 18º na clássica do Paris-Roubais.