Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Campeonato Angolano est sem rodas para correr

Helder Jeremias - 10 de Janeiro, 2019

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

A escassez de recursos financeiros para a obtenção de peças sobresselentes e equipamentos está a inviabilizar a realização da terceira edição do Campeonato Angolano de Motocross, previsto para arrancar na primeira semana de Abril, no quadro das celebrações do Dia da Paz em Angola. A actual situação das equipas aumenta o cepticismo sobre a viabilidade da mais nova competição.
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o vice-presidente da Federação Angolana de Desportos Motorizados para motocross, Orlando Almeida, manifestou a descrença em função das enormes dificuldades deparadas ao longo da última época. O dirigente revelou que \"a significativa ausência de patrocinadores, por pouco, causaria a interrupção da competição nacional\".
Orlando Almeida sustenta que \"até há algum tempo, era possível manter, com alguns apoios, a realização de eventos, quase certo que não vai haver campeonato nacional este ano\".
“A situação é, na verdade, generalizada. Todas as equipas se encontram desprovidas de recursos para se manter na prova. É do conhecimento geral, que todos os envolvidos carecem de recursos inerentes à compra de materiais. O país não os fabrica e só podem ser obtido a partir do exterior do país\", disse.
Orlando Almeida revelou que, na qualidade de dirigente do Team Orbel, teve de dispensar os pilotos Zé Cazenga (terceiro classificado na categoria 250cc) e Edson Miranda (campeão nacional da 450cc ou moto4). A crise financeira interrompe o percurso de duas estrelas \"dotadas de potencialidades para transmitirem a experiência aos mais novos\". Os \"dois activos\" tinham mais uma ou duas épocas \"em grande plano\".
A crise financeira não se restringe apenas ao Team Orbel. Há mais de um mês, a equipa Dinamith, bicampeã, veio a público anunciar a desistência do campeonato provincial de Luanda de motocross pela mesma razão.
Em 2018, Fernas Baptista conquistou o bi-campeonato nacional e levou o Team Transchipeta a celebrar pela segunda vez consecutiva o título da categoria de 250cc. Edson Miranda \"Roquinho\" voltou a erguer o troféu e deu ao Team Orbel mais um título da classe 450cc (moto4). A prova nacional foi disputada nas províncias de Luanda, Benguela, Cuanza Sul e Huila.
Orlando Almeida foi um dos pilotos mais notáveis da primeira geração pós-independência nacional. Conquistou vários títulos ao serviço das melhores equipas nacionais. Partilhou as pistas com grandes nomes do motocross como Bianchi, Vitó, Talaia, Vadinho Queimado, Mancha, entre outros precursores.
Nos últimos tempos, o veterano destaca-se nas vestes de dirigente desportivo. Actualmente, ocupa o cargo de vice-presidente da Associação Provincial de Motocrosss de Luanda e vice- presidente da Federação Angolana de Desportos Motorizados para o motocross. É também proprietário do Team Orbel, que actuam em distintas modalidades desportivas.