Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Carey quer manter corrida em Silverstone

30 de Janeiro, 2017

Os novos donos da fórmula1 pretendem introduzir mais uma grande prémio no calendário mundial

Fotografia: AFP

O novo patrão da Fórmula 1, Chase Carey, disse que existem planos para a criação de uma nova corrida nos Estados Unidos para o Mundial e a intenção de manter o Grande Prémio da Grã-Bretanha.

Os novos donos da prova, a empresa norte-americana Liberty Media, pretendem incluir uma nova etapa do Mundial, disse Carey à agência noticiosa AP.
O objectivo é que a corrida seja realizada sem prejuízo do já existente Grande Prémio dos Estados Unidos, realizado no Texas, numa de quatro cidades: Nova Iorque, Los Angeles, Miami ou Las Vegas.

Quanto ao GP da Grã-Bretanha, em Silverstone, o norte-americano assegurou à BBC que a prova está “garantida”, uma vez que “o desporto nasceu na Europa ocidental”.

“Queremos que continue a crescer e estamos a entender a dinâmica existente”, explicou o líder da F1, que revelou estar a procurar “novas formas de fazer com que estes eventos sejam ainda maiores e melhores”.

A prova é presença constante no calendário da Fórmula 1 desde 1950 e existe um acordo com a competição, desde 2010, para aí se manter até 2027. Os directores do circuito revelaram a 13 de Janeiro a existência de negociações com o Governo britânico para suportar as dificuldades financeiras e manter a prova no calendário para lá de 2019, ano em que pode ser ativada uma cláusula de rescisão do acordo.

Carey assumiu o cargo depois do afastamento do milionário Bernie Ecclestone, que liderava a F1 há quatro décadas e agora é presidente honorário, assegurando o regresso do britânico Ross Brawn à organização, depois de quatro anos de ausência.

O britânico afirmou a vontade da Liberty em “manter as tradições e os valores da F1”, aliados à “emoção” dos novos circuitos. A Liberty Media concluiu a 23 de Janeiro o processo de aquisição dos direitos do Campeonato do Mundo de Fórmula, num negócio avaliado em oito mil milhões de dólares (7,4 mil milhões de euros).