Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Carlos Rosa enfrenta hoje o crivo

Silva Cacuti - 08 de Novembro, 2016

Carlos Rosa espera a recondução para concluir os programas financiados pela Federação Internacional e Solidariedade Olímpica

Fotografia: Kindala Manuel

O pleito eleitoral para provimento de cargos na Federação Angolana de Atletismo realiza-se hoje, entre às 8h00 e às 12h00, na sede federativa e nas Associações provinciais. Concorrem para os cargos, Carlos Rosa, presidente cessante, e Bernardo João, aspirante.

Há 12 anos na Federação, quatro dos quais como secretário -geral, Carlos Rosa procura um terceiro mandato. Para convencer os associados, o concorrente pela lista A apresentou um plano de aproveitamento das oportunidades de formação, concedidas pela IAAF (Federação Internacional de Atletismo), através do programa "kid athletes", e o plano da Solidariedade Olímpica.

Se convenceu ou não, hoje é o dia de saber. Nas urnas, os associados avaliam  a gestão da Federação, que dura há oito anos. Bernardo João entra no processo, como eventual beneficiário de uma avaliação negativa dos associados, à gestão do seu opositor. Independentemente da avaliação, apresentou a candidatura com um programa focado na organização interna da Federação e das Associações provinciais.

Bernardo João entende que independentemente da pessoa que esteja na presidência da Federação, os programas da IAAF e da Solidariedade Olímpica devem ser aproveitados para o bem da modalidade. Por isso, inscreve no seu plano de trabalho para o mandato o "programa Tóquio'2020" centrado na criação de condições para a selecção de atletas e propiciação de condições  que cheguem aos Jogos Olímpicos, atletas angolanos com marcas mínimas para lá estar.

O afastamento da Associação de Luanda da população votante, por não ter renovado o mandato, é uma das notas dominantes deste processo, cuja Comissão Eleitoral tem Cardoso de Lima na presidência. Por Luanda estão inscritos o Petro de Luanda, 1º de Agosto e Interclube. O Namibe e a Huíla são os maiores círculos eleitorais com três clubes e as respectivas Associações.

De Benguela participam a Associação local e o clube 1º de Maio. As Associações de Cabinda, Uíge, Moxico, Lunda Norte, Cuando Cubango participam na votação. Huambo e Bengo, além das Associações, votam com mais um clube cada uma. A província do Cuanza Sul está de fora do processo.