Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Ciclistas defendem realizao de provas internacionais na Hula

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 05 de Dezembro, 2019

Fotografia: Edies Novembro

Os ciclistas que participaram na 2ª edição do Grande Prémio BAI em ciclismo de estrada disputada há dias na cidade do Lubango dominada pelo Petro de Luanda, ficaram encantos com as belezas naturais existentes na província da Huíla e defendem a realização de mais provas de género para promoção do turismo desportivo à nível internacional.
A Serra da Leba, uma obra-prima da arquitectura, enquadrada num cenário natural espectacular, famosa pela altitude, pela sua beleza e também pela estrada que a serpenteia, deixou surpreendido as sete equipas nacionais que desceram e subiram pela primeira vez na história do ciclismo angolano os 140 kms de estrada em linha naquela passagem circundante.
Situada perto da cidade do Lubango, concretamente no município da Humpata, a Serra da Leba, possui 20 kms, 42 curvas e um desnível de metros.
 Aliado a isso, os ciclistas destacam as estradas que oferecem perfeitas condições para percorrer e continuar-se a promover provas nacionais e quiçá internacionais sem constrangimentos.
 Zeferino Epalanga, da equipa dos Amadores Cicloturistas de Luanda que ficou na 13ª posição da classificação geral por ciclista diz ter ficado com boa impressão por ser a primeira vez que participou num Grande Prémio como o realizado na cidade do Lubango, província da Huíla.
“Foi uma coisa muito nova para nós Amadores Cicloturistas de Luanda porque tivemos que descer e subir a Serra da Leba. Foi muito difícil, apesar de que viemos com pouca preparação, mas estivemos bem graças a Deus”, contou.
 Ao descer a Leba, explicou Zeferino Epalanga, carregou muitas vezes aos travões. Destacou que o nível competitivo dos ciclistas está muito alto pois é sabido que a equipa do BAI Sicasal Petro de Luanda participou recentemente numa prova internacional da volta Burkinafaso, onde se sagrou campeão. “Então, não seria anormal chegar aqui na Huíla e fazer a melhor prova que fizeram ao conquistar o troféu do Grande Prémio”, admitiu.    
O melhor ciclista da actualidade, Dário António, do BAI Sicasal Petro de Luanda, destacou as excelentes estradas e zonas montanhosas que a província da Huíla possui para realização de provas internacionais visando promover o turismo desportivo.
“É a primeira vez que venho ao Lubango. Só oiço falar desta bela cidade. É um bom sítio para as equipas estagiarem e promover mais competições de género inclusive internacionais”, sublinhou.
Para o seu colega de equipa, Gabriel Cole, as estradas da Huíla onde decorreu as etapas da II edição do Grande Prémio BAI, são perfeitas visto que não tem muitos obstáculos. Por isso, defendeu a promoção de mais competições nacionais e internacionais nestas paragens da região sul do país.
 Carlos Araújo da organização da II edição do Grande Prémio BAI em ciclismo de estrada Huíla 2019 parabenizou todos quantos contribuíram para o sucesso do certame desde a Polícia Nacional, Instituto de Emergência Medicas (INEMA) e a população pela adesão nos locais de trajecto.