Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Clube Rodovirio mais abrangente

Augusto Panzo - 12 de Janeiro, 2019

Ex-dirigente Paulo Manuel Jnior foi um dos homenageados na tarde de quinta-feira

Fotografia: Edies Novembro

Para tornar o processo de transformação do Clube Rodoviário de Luanda em Clube Rodoviário de Angola, passando a congregar todas ou a maioria das empresas do ramo, é necessário uma profunda negociação entre potenciais parceiros. Indagado pelo nosso jornal sobre o que já foi feito em torno disso e que aceitação essa ideia teve da parte dos potenciais parceiros, Pedro Morgado elucidou que tem vindo a encetar contactos com vários parceiros e estes têm se demonstrado receptivos ao projecto.
“Bem, não se trata ainda de que esse projecto seja de consenso das outras empresas, pois, porquanto é apenas o caminho que a direcção do Rodoviário encontrou. Mas já temos vindo a encetar contactos com as empresas do ramo rodoviário e temos tido aceitação e apoio dessa nossa iniciativa.
Todos estão a se rever nessa causa e temos a certeza de que se trata de uma novidade para eles, essa coisa de aparecerem representados no desporto”, enalteceu o responsável.
Quanto aos condicionalismos impostos pelos novos parceiros, para que essa aliança possa vingar, Pedro Morgado avançou que estes pediram maior rigor na gestão administrativa, sobretudo na questão de apresentação de documentos justificativos aos gastos financeiros.
“Bem, de facto houve alguma resistência da parte dos parceiros para aderirem ao nosso objectivo fundamental.
Eles obrigaram-nos a melhorar alguns aspectos administrativos, principalmente no que toca à documentação que possa justificar as despesas, tal como facturas. Feito isso com o devido rigor, os nossos parceiros prometeram que estariam em condições de passarem a patrocinar o clube no geral”, revelou.


PROCEDIMENTOS
“Nós notificámos a maioria dos parceiros”

Para tornar o processo de transformação do Clube Rodoviário de Luanda em Clube Rodoviário de Angola, passando a congregar todas ou a maioria das empresas do ramo, é necessário uma profunda negociação entre potenciais parceiros. Indagado pelo nosso jornal sobre o que já foi feito em torno disso e que aceitação essa ideia teve da parte dos potenciais parceiros, Pedro Morgado elucidou que tem vindo a encetar contactos com vários parceiros e estes têm se demonstrado receptivos ao projecto.
“Bem, não se trata ainda de que esse projecto seja de consenso das outras empresas, pois, porquanto é apenas o caminho que a direcção do Rodoviário encontrou. Mas já temos vindo a encetar contactos com as empresas do ramo rodoviário e temos tido aceitação e apoio dessa nossa iniciativa. Todos estão a se rever nessa causa e temos a certeza de que se trata de uma novidade para eles, essa coisa de aparecerem representados no desporto”, enalteceu o responsável.
Quanto aos condicionalismos impostos pelos novos parceiros, para que essa aliança possa vingar, Pedro Morgado avançou que estes pediram maior rigor na gestão administrativa, sobretudo na questão de apresentação de documentos justificativos aos gastos financeiros. “Bem, de facto houve alguma resistência da parte dos parceiros para aderirem ao nosso objectivo fundamental. Eles obrigaram-nos a melhorar alguns aspectos administrativos, principalmente no que toca à documentação que possa justificar as despesas, tal como facturas. Feito isso com o devido rigor, os nossos parceiros prometeram que estariam em condições de passarem a patrocinar o clube no geral”, revelou.