Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Comisso administrativa trabalha na fiscalizao

Rosa Panzo - 30 de Maio, 2017

A fiscalização nas academias de Luanda e nas províncias, onde exista a prática da modalidade para a conclusão do projecto de estruturação e legalização das Associações e clubes a nível nacional,  são as prioridades da Comissão Administrativa da Federação Angolana de Ju-Jitsu eleita no sábado, na assembleia geral extraordinária.

A Comissão Administrativa tem como finalidade criar as condições do segundo pleito eleitoral, com vista o protesto da lista B, liderada por Ndongala Kiala, nas eleições realizadas no dia 10 de Dezembro do ano transacto, em que venceu a lista \"A\" liderada pelo presidente cessante, Nzugi Ndombaxi, com 25votos, constituída por cinco elementos, nomeadamente, Makuntima Baptista, coordenador,  Lukene Agostinho, vice - coordenadora, Cristina Nkuna, secretária, Inês Malembe  e Aurélio Chitumda, vogais.

Makuntima Baptista, coordenador da comissão administrativa disse ontem ao Jornal dos Desportos, que a equipa trabalha arduamente para a legalização de clubes durante o prazo estipulado.

\" Na verdade temos pouco tempo para fiscalizar, e legalizar as Associações e clubes que não têm as suas situações regularizadas, porque o prazo já conta desde o passado mês de Março\", referiu.

O dirigente informou que todas as academias não legais até a data limite, serão suspensas, \" porque é necessário que se faça a fiscalização, para se realizarem eleições justas\".

Participaram na assembleia, representantes das províncias da Huila,  Cuanza- Sul, Cabinda, Benguela, Bengo , Cunene e Malanje.

A Federação Angolana de Ju-jitsu tradicional foi constituída em 2005, tem  54 academias em todo o país.

A cidade de Luanda  o maior pólo de desenvolvimento, tem cerca de 3.920 atletas, e 24 academias.

 A modalidade é praticada nas províncias da Lunda -Norte, com sete academias, Uíge (6) Zaire, Cabinda e Bengo (com três cada), Malanje (5), Moxico (2), Huambo (2), Kuando -Kubango (1), Bié (1) e o núcleo do Cuanza -Sul. A expansão no país ocorreu a partir da década de 90, com o surgimento de várias academias, como o CAFAM - Centro Angolano de Formação de Artes Marciais, no Palanca, Ranger Mãe, no bairro Cimangola, e Sam Font, no Kicolo.