Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Comit Olmpico Internacional quer expulso de homossexual

21 de Fevereiro, 2014

Ex-deputada italiana Vladimir Luxuria foi convidada a abandonar a Rssia e o Governo considerou que persona non grata

Fotografia: AFP

O Comité Olímpico Internacional (COI) defendeu a expulsão de uma activista pró-homossexual em Sochi, justificando que o parque olímpico não é lugar para manifestações.

Vladimir Luxuria, uma ex-deputada em Itália, foi presa pela polícia na noite de domingo e expulsa do parque olímpico na noite de segunda-feira.

A imprensa informou que Vladimir Luxuria, vestida com as cores da bandeira do arco-íris do movimento homossexual, tentou mostrar um cartaz com a mensagem "It's OK to be Gay" (em tradução livre, "Não há problema em ser homossexual") e depois tentou gritar slogans a favor dos direitos dos homossexuais durante uma partida de hóquei no gelo.

A activista foi expulsa das instalações olímpicas pela polícia local, embora aparentemente não tenha sido detida formalmente.

"O que ocorreu não está totalmente claro. Disseram-me que estava no parque, a caminhar e a falar com os espectadores", declarou o porta-voz do COI, Mark Adams, na sua conferência de imprensa diária.

Mark Adams comentou que "algumas pessoas estavam a favor, outras contra, outras muito contra", mas acredita que "foi escoltada do local, pacificamente, e não foi detida".

O porta-voz justificou a medida: "O parque olímpico e as ruas olímpicas não são lugar para manifestações, estejamos ou não de acordo" com as reivindicações.

Luxuria escreveu no seu site estar prestes a abandonar a Rússia, onde foi declarada "persona non grata", embora as autoridades russas não tenham confirmado a expulsão.

TED LIGETY
LEVA OURO

Ted Ligety, de 29 anos, é o novo campeão olímpico no esqui alpino slalom gigante nos Jogos Olímpicos de Sochi, confirmando o primeiro lugar na descida inicial. Apesar de um pequeno erro na primeira metade do percurso, Ted Ligety terminou em primeiro lugar na segunda metade ao impor-se com um tempo de 2m45s29. A medalha de prata foi para Steve Missilier e a de bronze para Alexis Pintarualt.

PAÍSES NÓRDICOS
CARREGAM OURO

A Finlândia, em masculinos, e Noruega, em femininos, conquistaram a medalha de ouro no esqui cross-country velocidade por equipas nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi.

Na competição masculina, a glória foi do par formado por Livo Niskanen e Sami Jauhojaervim com 23m14s89’. A medalha de prata ficou com a Rússia, com um tempo de 23m15s86’, e a de bronze com a Suécia, com 23m30s01’.

Em femininos, a dupla composta por Marti Bjoergen e Ingvild Flugstad Oestrberg venceu com o tempo de 16m04s05’, seguida pela dupla da Finlândia, que terminou a prova em 16m13s04’. A medalha de bronze ficou com a Suécia, que anotou um tempo de 16m23s82’.


BOBSLED
Selecção americana
acusada de corrupção


Um atleta do bobsled que não conseguiu classificar-se para a equipa olímpica dos Estados Unidos de Sochi 2014 afirmou que o processo de selecção dos atletas é "corrupto". Muitos homens e mulheres que mereciam vagas nos Jogos de Inverno foram ignorados, segundo ele.

Chuck Berkeley disse que "é frustrante" fazer parte de uma federação que faz as suas escolhas para os desportos olímpicos baseada na popularidade dos atletas.

O chefe da federação de bobsled e skeleton dos Estados Unidos, Darrin Steele, declarou que defende o resultado das selectivas para os Jogos de Sochi.

Berkeley também criticou, no Twitter, Lolo Jones, que compete no bobsled pelos Estados Unidos ao lado da piloto Jazmine Fenlator. Depois de o trenó três norte-americano terminar na 11.ª posição, após as duas primeiras descidas na terça-feira, Berkeley escreveu que o desempenho teria sido melhor com Katie Eberling no lugar de Jones na dupla.


MELHOR ESQUIADORA  
Cantora acaba com reinado de Vonn


Tina Maze chegou aos Jogos Olímpicos de Inverno com a tarefa de lutar com Maria Hiesch (ouro no supercombinado) pelo título de melhor esquiadora do planeta e tem levado a melhor sobre Maria. Além de brilhar nas pistas de esqui, Maze destaca-se também pela simpatia sem os esquis, tendo o seu nome sempre em destaque nos media mundiais, seja por resultados, entrevistas ou ensaios sensualmente arrojados.

Em Sochi, Maze dividiu uma histórica medalha de ouro no downhill ao registar o mesmo tempo que Dominique Gisin. Após decepcionar no supercombinado e no super G, Maze fez uma das melhores descidas do slalom gigante e garantiu a sua segunda medalha de ouro na Rússia, desta vez sozinha.

No ano passado, Maze extrapolou o cenário desportivo e tornou-se numa celebridade musical, após o seu single My way is my decision (em tradução livre, O meu caminho é uma decisão minha) passar a ser o mais visto da história entre cantores do país no Youtube.

"Não troco a minha medalha de ouro por dez milhões de discos vendidos", brincou Maze, após a conquista da medalha de ouro no slalom gigante.
Aos 30 anos de idade, a atleta reconhece que é um ícone no seu país. "O meu médico disse-me que a sua filha acena sempre para a TV quando me vê. É por isso que me sinto como uma garotinha", revelou.

Por ser um ícone de beleza e desportivo, Tina Maze já começa a ser apontada como o principal nome do esqui feminino mundial, especialmente, pela ausência de Lindsey Vonn, ouro no downhill em Vancouver 2010, por lesão no joelho.

"Lindsey é uma grande esquiadora de downhill. Ela não está aqui. Por isso, não penso sobre isso. Gostava que todos pudessem estar aqui, incluindo a Lindsey", comentou Tina.