Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Consterra Construções finta huilanos

Gaud?ncio Hamelay - Lubango - 30 de Junho, 2017

Crianças carecem de espaço para a prática desportiva em Quipungo

Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Dinheiro no bolso, obra paga. Essa é a divisa da Consterra Construção, empresa responsável pela reabilitação do campo municipal de Quipungo, localizada a Leste de Lubango, província da Huila, numa zona estratégica para o desenvolvimento e massificação desportiva. Há três anos, a empresa desistiu de prestar serviços e os habitantes aguardam a conclusão da obra pública.

O incumprimento do empreiteiro preocupa a direcção provincial da Juventude e Desportos da Huíla. Quipungo faz fronteira com Cacula, Lubango, Matala, Chibia e Gambos, localidades com prática desportiva massiva. A falta do campo municipal de futebol estrangula o programa de expansão e massificação dos desportos. O governo provincial projectou o campo para albergar os jogos intermunicipais e, quiçá, provinciais. A reabilitação, a ampliação e a construção do campo de Quipungo torna a prática de futebol mais consentâneo, de acordo com Joaquim Barbante Tyova.

Sem justificar as razões, a Consterra Construção paralisou as obras, em 2014, depois de demolir algumas paredes, aplicação de fundações e retirar a tubagem do espaço, o que representa uma execução física de 30 por cento, segundo o director provincial. Antes de dar início à obra, há mais de cinco anos, a empresa Consterra Construção recepcionou 70 por cento do valor da empreitada.

Joaquim Barbante Tyova informou que a Consterra Construção assinou o contrato de construção e de reabilitação do campo municipal de Quipungo com o Ministério da Juventude e Desportos. Por esse facto, o governo huilano tem as mãos atadas para reclamar a conclusão da empreitada.

Para reaver o financiamento pago cabe ao Ministério da Juventude e Desportos apresentar os protestos junto da empreiteira.
“O governo da província da Huíla acompanha a obra, mas limita-se a esperar que o Ministério da Juventude e Desportos reaja para salvaguardar a situação preocupante. Todavia, o Ministério da Juventude e Desporto financiou 70 porcento do valor e o empreiteiro simplesmente abandonou a obra”, lamentou.

No intuito de dar a sequência à obra, que vai beneficiar a população, no geral, e a juventude desportiva de Quipungo, em particular, a direcção provincial da Juventude e Desportos da Huila manteve contacto com o empreiteiro. Joaquim Barbante Tyova assegura que no ano passado recebeu da Consterra Construção a garantia de recomeçar a obra no presente ano.

\"O empreiteiro justifica questões financeiras na base da inviabilização do curso normal das obras”, citou. O campo municipal de Quipungo foi projectado para albergar cinco mil espectadores e a colocação de relva sintética. Com \"o drible\" da Consterra Construção, as autoridades huilanas procuram \"outro parceiro\" para dar continuidade à obra.

A equipa do Governador João Marcelino Tyiping pretende incluir o projecto no Orçamento Geral do Estado (OGE) de 2018, segundo Joaquim Barbante Tyova.“Estamos a criar as condições para que no próximo ano se dê a continuidade da obra com um outro empreiteiro”, assegurou o responsável.