Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Convocadas Seleces s com " Estrangeiros"

Rosa Panzo - 20 de Abril, 2019

Os nadadores trabalham para atingir patamares elevados

Fotografia: Edies Novembro

A ausência de atletas residentes em solo angolano das listas divulgadas pela Federação Angolana de Natação é vista com desconfiança por Maria Andrade "Graça", treinadora-adjunta do 1º de Agosto, e Mário Manrique, antigo treinador do Onda Spor Clube. Os dois especialistas defendem a integração dos "atletas internos" nas pré-selecções com vista a exaltá-los e incentivá-los.

Maria Andrade sustenta que "para o campeonato africano de juniores, a pré-selecção devia ter mais atletas convocados, de modo a dar oportunidades aos atletas internos". "Trata-se de uma pré-selecção nacional, logo no G1 e G2 devem ter mais atletas.

Vou particularizar o nadador Djamel Pires. No campeonato absoluto de piscina de 25 metros, na categoria de juvenil, o nadador não perdeu nenhuma prova e foi considerado o Melhor atleta do campeonato. A esse nadador devia ser dado uma oportunidade de fazer parte da pré-selecção como um estímulo de motivação", justificou.

Mário Manrique defende que "por se tratar de uma pré-selecção nacional é porque não é a selecção definida. Logo, a Federação devia dar oportunidade a outros atletas que despontam no campeonato interno".

"Se assim não é, em vez de motivar os atletas internos, acabam por desmotivá-los. Os nadadores trabalham para atingir patamares elevados", justificou.Manrique assevera que os critérios de convocação de atletas da pré-selecção, definidos pela Federação, devem contemplar todos aqueles que apresentam indicadores de crescimento.

"Sinceramente, não concordo com este tipo de convocatória feita para os eventos internacionais. Sou apologista numa pré-selecção em que conste atletas que militam em clubes estrangeiros e internos, mesmo que os locais não tenham atingido as marcas qualificativas", sustentou.

Maria Andrade reconhece que "todos os atletas pré-seleccionados são os melhores do nosso ranking". Não obstante  a militância em clubes fora do país, "são os que estão em condições de representar condignamente o país em termos de cumprimento de objectivos". As marcas estabelecidas recentemente no campeonato português em Coimbra, à semana passada, "provaram a melhoria de tempos e recordes nacionais".

No mesmo diapasão está Mário Manrique. O treinador afirma que "os pré-seleccionados são bons atletas, mas os que estão no país também merecem oportunidades".O treinador da Academia Nossa Senhora da Anunciação, Cláudio Brandão, disse que "todos os nadadores pré-seleccionados estão de parabéns".

 O ex-seleccionador nacional reiterou que "Pedro Pinotes e Mário Ervedosa, o primeiro e o segundo classificados do ranking nacional, não estão convocados para o campeonato mundial pura"."Os dois atletas angolanos são os mais bem posicionados no ranking da Federação Internacional de Natação e deviam constar da pré-selecção nacional para representarem com dignidade o país. Creio que, com as ausências de Pedro Pinotes e Mário Ervedosa, alguma coisa não está bem", disse.

CARLOS ALBERTO
"Critérios de convocação são ambíguas"


O treinador do Clube Náutico da Ilha de Luanda, Carlos Alberto, assegura que "a chamada exclusiva dos atletas que treinam fora do país às pré-selecções nacionais mostra o apoio dos pais e o patrocínio das instituições". Por isso, "os atletas devem ter como ambição a boa representatividade das cores da bandeira nacional".

O especialista afirma que "quando nenhum nadador angolano a evoluir no país não consta da convocatória, isso mostra problemas crassos" na modalidade. Para evitar as divergências, Carlos Alberto esclarece: "não é minha competência decidir os atletas convocados para as pré-selecções".Quanto aos métodos utilizados para a convocatória apresentada, o especialista disse que "não se deve apresentar uma lista de pré-seleccionados e os critérios de selecção na mesma data, sob pena de se evocar os critérios subjectivos, erróneos ou suscitar dúvidas sobre a imparcialidade ou favoritismo".

"Os critérios utilizados pela Federação, para além de ambíguos, não abrem margem alguma aos atletas a evoluírem em Angola e que treinam para fazerem parte de qualquer competição internacional", disse.Carlos Alberto sustenta que "os atletas eleitos para representar Angola aprenderam a nadar em nossa terra". Por isso, "as decisões como essas aniquilam o desenvolvimento da natação nacional, pois as consequências só vão ser vistas nos próximos cinco anos".Carlos Alberto reconhece a competência desportiva dos atletas convocados."Não desmereço o trabalho árduo que os nossos atletas angolanos residentes fora do país apresentam.

 Os resultados são vistos por todos. No CNIL, defendemos a meritocracia. Os homens devem ser reconhecidos pelo seu trabalho. Só os melhores merecem-no. E se não há nenhum atleta a evoluir no país, que mereça estar numa pré-selecção, podemos concluir que não temos treinadores qualificados. Os atletas são mal formados", disse. 
                                                                   
FEDERAÇÃO
Bolsas olímpicas  definem as convocatórias

A Federação Angolana de Natação divulgou, no último fim de semana, as convocatórias das pré-selecções nacionais com vista a participação nos diferentes eventos internacionais a ter lugar entre os meses de Junho a Setembro próximos. Além de campeonato do mundo, em que se pretende apenas a presença, os atletas têm como objectivos atingir o pódio de todos os eventos realizados no continente africano.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, a vice-presidente da Federação Angolana de Natação, Ana Lima , disse que os critérios utilizados para a convocatória dos atletas às pré-selecções "são as idades nos campeonatos por idades e beneficiarem de bolsas olímpicas de preparação atribuídas pelo COI (Comité Olímpico Internacional), FINA (Federação Internacional de Natação) e as marcas dos nadadores".

Questionada sobre a ausência dos nadadores internos na convocatória das pré-selecções, a dirigente salientou que os atletas não atingiram as marcas para esses eventos."Infelizmente, os atletas internos não obtiveram o nível desejado", disse.Para os Africanos a decorrer a partir de 16 de Junho, em Marrocos, estão convocados os nadadores Pedro Pinotes e João Duarte.

No campeonato do mundo, a ser disputado de 12 a 28 de Julho na Coreia do Sul, vão estar presentes  Catarina Sousa, Lia Lima, Daniel Francisco, Henriques Mascarenhas, Salvador Gordo, Pedro Pinotes e João Duarte.Para o Campeonato Africano de Juniores, a ter lugar de 3 a 8 de Setembro, na Tunísia, foram seleccionados os nadadores Filipes Freitas, Edvaldo Nascimento e Salvador Gordo.

Nos Jogos Panafricanos, a ser disputado de 19 a 31 de Agosto, estão pré-seleccionados os nadadores Pedro Pinotes, Daneil Francisco, Salvador Gordo, Henriques Mascarenhas, Mário Everdosa, Catarina Sousa, Lia Lima e Ana Nóbrega. A Federação é dirigida por Mário Fernandes.   

FEDERAÇÃO
Bolsas olímpicas  definem as convocatórias

A Federação Angolana de Natação divulgou, no último fim de semana, as convocatórias das pré-selecções nacionais com vista a participação nos diferentes eventos internacionais a ter lugar entre os meses de Junho a Setembro próximos. Além de campeonato do mundo, em que se pretende apenas a presença, os atletas têm como objectivos atingir o pódio de todos os eventos realizados no continente africano.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, a vice-presidente da Federação Angolana de Natação, Ana Lima , disse que os critérios utilizados para a convocatória dos atletas às pré-selecções "são as idades nos campeonatos por idades e beneficiarem de bolsas olímpicas de preparação atribuídas pelo COI (Comité Olímpico Internacional), FINA (Federação Internacional de Natação) e as marcas dos nadadores".

Questionada sobre a ausência dos nadadores internos na convocatória das pré-selecções, a dirigente salientou que os atletas não atingiram as marcas para esses eventos."Infelizmente, os atletas internos não obtiveram o nível desejado", disse.Para os Africanos a decorrer a partir de 16 de Junho, em Marrocos, estão convocados os nadadores Pedro Pinotes e João Duarte.

No campeonato do mundo, a ser disputado de 12 a 28 de Julho na Coreia do Sul, vão estar presentes  Catarina Sousa, Lia Lima, Daniel Francisco, Henriques Mascarenhas, Salvador Gordo, Pedro Pinotes e João Duarte.Para o Campeonato Africano de Juniores, a ter lugar de 3 a 8 de Setembro, na Tunísia, foram seleccionados os nadadores Filipes Freitas, Edvaldo Nascimento e Salvador Gordo.Nos Jogos Panafricanos, a ser disputado de 19 a 31 de Agosto, estão pré-seleccionados os nadadores Pedro Pinotes, Daneil Francisco, Salvador Gordo, Henriques Mascarenhas, Mário Everdosa, Catarina Sousa, Lia Lima e Ana Nóbrega. A Federação é dirigida por Mário Fernandes.        
  
MANUEL GARRIDO
"Está de parabéns a Federação"

O treinador de escalão de formação do 1º de Agosto, Manuel Garrido, disse que a Federação Angolana de Natação deve esclarecer os critérios de convocatória de atletas para as selecções nacionais. O especialista felicita a direcção de Mário Fernandes pelo modelo de convocatória."Está de parabéns a Federação. A distribuição de melhores nadadores pelas grandes provas internacionais, taça e campeonatos africanos e do mundo exige ao treinador elaborar convenientemente a programação. O plano de preparação desportiva deve destacar a componente física, psicológica e as competições de preparação", disse.

Manuel Garrido defende que "as participações nos campeonatos do mundo e nos Jogos Olímpicos deviam ser exclusivas para os nadadores qualificados e os que disputam as finais dos campeonatos africanos ou Jogos Africanos". O treinador constatou que "há uma preocupação da Federação Angolana incluir os nadadores com os melhores tempos actualizados". "Independentemente do acima exposto, devo dizer que estamos no caminho certo. A Federação Angolana de Natação e os atletas convocados estão de parabéns", felicitou.