Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

CPA ganha novo estatuto jurídico

Francisco Carvalho - 13 de Novembro, 2014

Nesse mesmo ano, o desporto angolano fez a estreia nos Jogos Paralímpicos de Atlanta, nos EUA.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Comité Paralímpico Angolano (CPA) vai passar a instituição de utilidade pública, 20 anos depois da sua constituição em Associação desportiva. A assinatura formal acontece hoje, às 10h00, no Hotel Épic Sana, em Luanda. Leonel da Rocha Pinto, presidente de Direcção, e Fátima Jardim, presidente da Mesa da Assembleia Geral, conferem as assinaturas nos documentos.

O novo estatuto jurídico do CPA dá cabimento ao papel que assume junto de um grupo vulnerável de cidadãos. As responsabilidades são acrescidas e há necessidade de orientar crianças, adolescentes e adultos, que apresentam deficiências, por uma vida melhor e resgate da auto-estima.

O CPA passou por transformações ao longo desses anos. No intuito de responder à  necessidade do Executivo angolano que se impunha nos anos 90 do século XX, face às reclamações de jovens inconformados com a sua situação física, resultante da guerra civil, as atenções do Estado angolano viraram-se para o Hospital Militar Central, Centro Ortopédico Neves Bendinha, Hospital da Polícia Nacional, Centro Social de São Paulo e o Centro da Funda, que concentravam a maior parte de soldados feridos em combate.

O desporto serviu de meio de reintegração social. Sob a égide da Comissão de Apoio aos Mutilados de Guerra para as actividades desportivas e recreativas começou um processo que se oficializou a 10 de Novembro de 1994, com a constituição da Associação dos Desportos para Deficientes de Angola (ADDA) e a realização do primeiro campeonato provincial de Luanda de atletismo, no espaço adjacente ao Cine Atlântico.

As exigências aumentaram e dois anos depois, em 1996, foi transformada em Federação Angolana de Desportos para Deficientes (FADD). A nova instituição foi inscrita no Comité Paralímpico Internacional. Nesse mesmo ano, o desporto angolano fez a estreia nos Jogos Paralímpicos de Atlanta, nos EUA.

Sob a orientação do Comité Paralímpico Internacional, que defendia a uniformização da marca em todos os países membros, a FADD passou a Comité Paralímpico Angolano. Hoje, o Comité Paralímpico Angolano tem representações em todas as províncias do país. Em cada actividade desportiva movimenta mais de 200 atletas.
FRANCISCO CARVALHO