Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Crise dificulta venda de apartamentos

22 de Fevereiro, 2016

Apartamentos de luxo estão sem compradores na localidade da Tijuca

Fotografia: AFP

Parte dos apartamentos nos prédios de luxo, erguidos para os Jogos Olímpicos, podem ter dificuldade para encontrar compradores devido ao arrefecimento do mercado imobiliário no Rio de Janeiro, disse o Governador Eduardo Paes, em entrevista à Bloomberg.O responsável máximo da cidade assegurou que as empresas vão ter dificuldade em vender as unidades dos 31 prédios da Vila Olímpica, onde 3.604 apartamentos foram erguidos para os Jogos de Agosto.

Menos de 300 apartamentos foram vendidos. Um empreendimento de quatro torres ao lado do campo de golfe Olímpico também está exposto à crise imobiliária, de acordo com Paes. "O mercado imobiliário arrefeceu muito. A Ilha Pura é um risco maior.
Desde que o Brasil entrou na disputa para os Jogos Olímpicos há nove anos, o país e a cidade do Rio de Janeiro passaram da bonança, à crise económica. O “boom” nos preços dos imóveis, que por anos parecia não ter fim, acabou. Com o financiamento imobiliário mais caro e escasso, algumas “incorporadoras” estão a ver o stock encalhado. A demanda também é prejudicada pelo aumento de desemprego e pela recessão que caminha para ser a maior neste século.

Das primeiras 600 unidades colocadas à venda, no Ilha Pura, 40 por cento foram vendidas. A companhia proprietária dos prédios "está optimista com a visibilidade dos Jogos Olímpicos, que certamente vai ajudar a impulsionar as vendas".O Ilha Pura e o Riserva Golf são empreendimentos localizados na Barra da Tijuca, onde vai ser realizada a maior parte dos jogos.

Os preços de apartamentos na Barra e no Rio, têm caído desde meados de 2015. Os preços no Rio estão prestes a cair "um pouco mais", pois "estavam muito altos, era uma loucura".A crise económica no Brasil diminuiu as receitas de impostos federais. Com o governo a lutar para implementar um ajuste fiscal para escorar as suas finanças, a Standard & Poors rebaixou o rating da dívida soberana, num degrau para dois níveis abaixo do grau de investimento.