Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Cuba termina mundial na ltima posio

02 de Outubro, 2014

A atleta mais experiente, Dairilys Perez,

Fotografia: AFP

A selecção cubana de voleibol terminou o Campeonato Mundial feminino na última posição. Com apenas um set vencido na bagagem, o país que antes era  temido nessa modalidade, teve uma campanha igual à modesta equipa dos  Camarões, que foi batido por equipas suplentes do Brasil e da Sérvia.Devido às restrições internas, a selecção chegou a Itália reacheada de jovens jogadoras. A média de idade da selecção foi de 20 anos, a menor do torneio.

A atleta mais experiente, Dairilys Perez, tem 24 anos. A mais nova, Melissa Vargas Abreu tem 14 anos. Curiosamente, foi a única jogadora a destacar-se no grupo, como a maior pontuadora de Cuba e a 15ª da primeira fase.Essa foi uma grande experiência, mesmo que não tenha conseguido chegar à segunda fase ou ganhar uma única partida. Usámos a oportunidade como um aprendizado e para melhorar”, disse a atleta ao site do mundial.

As pessoas que acompanham o voleibol da selecção cubana desde os anos 80 do século XX, ficaram “comovidas”. O treinador brasileiro José Roberto Guimarães lamenta o sucedido. O especialista assegura que Cuba tem grandes atletas fora da Ilha, que a torna numa das melhores do mundo.O brasileiro ressalta que a história pode acontecer com as actuais jovens dentro de dois anos e é uma pena, que esteja a acontecer com a força do voleibol mundial.

Entre as atletas que podiam defender a selecção cubana e actuam em equipas fora da ilha, consta Daymi Ramirez, que vai defender o Praia Clube, equipa brasileira, na próxima época da Superliga, Rosir Calderón e Nancy Carrilo estão no voleibol europeu e são outras ausências.
Cuba terminou o Mundial feminino com derrotas por 3- 0 diante da Bélgica, China, Japão e Porto Rico. Apenas no jogo contra o Azerbaijão, conseguiu ganhar um set.

VOLEIBOL DE PRAIA
Ouro do Brasil
está com Larissa


A voleibolista brasileira deixou a aposentação  e passou a ser a grande esperança da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro. Em três meses, Larissa mudou completamente o seu status e agora assombra o  mundo do voleibol de praia, com o seu excelente histórico. Desde que voltou a jogar, em Julho passado, a brasileira ganhou três das cinco etapas do Circuito Mundial que disputou (Klagenfurt, Stare Jablonki e São Paulo) e as duas etapas já realizadas do circuito brasileiro. A formar parceria com Talita, a jovem de 32 anos vangloria-se do registo de 32 partidas mantendo  invencibilidade.

Durante o tempo em que ficou longe das areias, entre Dezembro de 2012 e Julho deste ano, Larissa esqueceu-se completamente do voleibol. O seu grande objectivo era ser mãe. Não teve sucesso nas duas tentativas. Na primeira, a gestação de gêmeos chegou até a décima semana. Na segunda, perdeu o filho após oito semanas. Em ambos os casos, fez inseminação artificial.No seu regresso à quadra, teve de lidar com o peso à mais. Sem fazer actividade física e a tomar hormónios para engravidar, a atleta ganhou oito quilos (pulou de 68 para 76). Mas os óptimos resultados obtidos animam a jogadora, que espera conquistar uma medalha de ouro no Rio de Janeiro para encerrar a carreira com todos os títulos possíveis.