Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Custo dos Jogos podem aumentar

18 de Dezembro, 2016

O comité de Tóquio'2020 estima que a organização dos Jogos Olímpicos custe entre 1,6 e 1,8 biliões de ienes (entre 12.980 milhões e 14.600 milhões de euros),

Fotografia: AFP

O comité de Tóquio'2020 estima que a organização dos Jogos Olímpicos custe entre 1,6 e 1,8 biliões de ienes (entre 12.980 milhões e 14.600 milhões de euros), noticiou ontem a agência noticiosa japonesa Kyodo.

A organização dos próximos Jogos Olímpicos de verão propôs reduzir o orçamento depois de um painel independente de especialistas ter concluído que os gastos poderiam disparar até aos três biliões de ienes (24.347 milhões de euros), mas o Comité Olímpico Internacional (COI) pediu um corte maior.

Na tentativa de poupar dinheiro, os organizadores alteraram, até ao momento, mais de um terço das sedes das competições desportivas relativamente ao programa original.

Muitas das mexidas implicam a mudança de provas que se iam realizar em novas instalações na baía da capital para espaços já existentes na periferia de Tóquio e uma revisão dos planos de construção de novos recintos impulsionada pela governadora da metrópole japonesa, Yuriko Koike.

A nova estimativa do custo vai ser oficialmente apresentada numa reunião a quatro - entre o comité organizador de Tóquio'2020, os governos do Japão e da Área Metropolitana de Tóquio e o COI - prevista para a próxima quarta-feira, dia 21, de acordo com a Kyodo.

FRANCÊS

Entretanto, o francês Martin Fourcade, bicampeão olímpico de biatlo, ameaçou boicotar provas do circuito mundial caso a federação internacional da sua modalidade não sancione atletas russos citados em casos de doping no relatório McLaren.

O IBU, principal entidade do desporto, uma combinação de esqui cross-country com tiro, informou num comunicado que 31 biatletas russos foram citados no documento divulgado no dia 9 de Dezembro pela Agência Mundial Antidoping.

"Não é como se fossem apenas um ou dois. São 31, que se somam a 12 já flagrados anteriormente. Se a federação não tiver coragem para tomar uma decisão, os atletas vão tomar a deles. Se nada acontecer até Janeiro, vou pedir para que os meus colegas não compitam mais", avisou o francês de 28 anos, em entrevista ao canal norueguês NRK.

"Estarei muito orgulhoso de fazer isso para que o meu desporto esteja limpo", enfatizou Fourcade, que ganhou cinco vezes o circuito mundial de biatlo.

O norueguês Emil Hegle Svendsen, que chegou em terceiro lugar da prova de sprint em Nove Mesto, na quinta-feira, também pediu para que a IBU "tome medidas exemplares para mostrar que o doping não é tolerado".