Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Modalidades

Custdio Neto bate Z Cazenga

Hlder Jeremias - 16 de Abril, 2013

Zeferino Fernandes "Z Cazenga", mostrou-se insatisfeito pelo segundo lugar

Fotografia: Jornal dos Desportos

O campeão provincial de Luanda, Zeferino Fernandes “Zé Cazenga”, mostrou-se insatisfeito pelo segundo lugar obtido na primeira jornada do Campeonato Provincial de Motocross de Luanda, realizada sábado no circuito do Gamek. A prova foi ganha pelo piloto do Team Sistec, Custódio Neto “Toíto.

Em declarações ao Jornal dos Desportos, Zé Cazenga atribuiu a derrota ao mau estado técnico da sua Husqvarna, com a qual competiu diante de adversários com máquinas mais potentes. Face ao resultado, o piloto não volta a exibir-se com a mesma moto na segunda prova do campeonato.

“Zé Cazenga” informou que está a fazer contactos para que lhe seja cedida outra mota. A que utilizou na época transacta encontra-se em más condições técnicas. O piloto está ciente que precisaria de algum tempo para se adaptar a outra moto.

O piloto felicitou o seu adversário “Toíto” por começar a época com uma vitória. “Ele merece os parabéns, porque está a trabalhar muito”, disse.
“Zé Cazenga” adverte o vencedor: “Prepare-se para as próximas provas, pois as circunstâncias vão ser outras.”
HJ


MOTOCROSS
Circuito acolhe segunda jornada


As condições de realização da segunda jornada do campeonato provincial de Luanda de motocross, agendada para o próximo sábado, a partir das 11 horas, no circuito internacional Jorge Varela, ocupam a organização liderada por Alfredo Pitra.

Depois de sábado último ter dado o arranque da época, com a disputa do Grande Prémio 4 de Abril, os responsáveis da associação provincial estão convictos de que as bases para a realização da segunda prova estão lançadas. Os corpos sociais da associação reúnem-se amanhã, na sua sede social, localizada no circuito do Gamek, para efectuar o balanço do trabalho preparatório.

O presidente da associação provincial, Alfredo Pitra, reconheceu as dificuldades surgidas durante a primeira jornada, que serviu para saudar o 11º aniversário da paz em Angola. Apesar dos danos causados pela chuva ao circuito do Gamek, a instituição sente-se aliviada pela realização do evento promovido pelo Ministério da Juventude e Desportos.

“Fomos traídos pela chuva, mas conseguimos contornar a situação graças ao empenho dos associados. Temos poucos dias para a realização da segunda jornada e julgamos que tudo pode sair bem, desde que mantenhamos o espírito de entrega que sempre caracterizou os membros da associação”, disse Alfredo Pitra.

O dirigente desportivo reiterou, em nome dos associados, os agradecimentos ao Ministério da Juventude e Desportos pelo apoio dado para a realização da prova. O responsável associativo garantiu a disponibilidade da associação para abraçar outros projectos que o Estado angolano queira realizar para comemorar as grandes efemérides.

Alfredo Pitra apela aos associados a unirem-se, como forma de manter a harmonia que sempre reinou entre os praticantes. O dirigente desportivo ressalta que “não se pode dissociar a luta pelo desenvolvimento do desporto e a alegria dos amantes do motocross”.
HJ


ASSOCIAÇÃO DE LUANDA
Moreira reprova conduta


O proprietário da Escola de Motocross de Viana, Carlos Moreira, lamentou o facto da direcção da Associação de Motocross de Luanda realizar a primeira jornada do campeonato provincial em péssimas condições, no Circuito Internacional Jorge Varela, em consequência dos estragos causados pelas chuvas.

De acordo com Carlos Moreira, os pilotos da sua equipa só correram, porque se tratava do Grande Prémio alusivo à paz, cujo significado se reveste de grande importância para todos os angolanos.

Carlos Moreira pede “mais responsabilidade” ao elenco liderado por Alfredo Pitra, porque ficou surpreso por ter lido no Jornal dos Desportos que a Empresa de Limpeza e Saneamento Básico de Luanda (Elisal) estava a efectuar trabalhos na pista, quando a realidade era outra.

O dirigente desportivo reforça que não tem nada contra a associação, mas sublinha que algumas atitudes não se compadecem com os preceitos básicos para a prática do desporto, evidenciando algum desleixo e despreocupação para com a segurança dos pilotos, os principais intervenientes na competição.

Carlos Moreira considerou “insignificantes” os prémios atribuídos aos primeiros classificados de cada categoria. “Pelos apoios que a associação tem recebido, poderiam dar mais do que um simples capacete e uma taça pelo esforço que os rapazes fazem durante uma época”, justificou.
Hj